É provável que você já tenha se deparado com a manchete de um artigo afirmando que a dieta vegana afeta a saúde óssea. Trata-se de mais um artigo científico que tem causado controvérsia no ecossistema vegano. As manchetes sobre os resultados do estudo afirmam que a saúde óssea está em risco para quem segue uma dieta vegana, mas será que é isso mesmo?

Será que teremos que optar por ter doenças cardiometabólicas ou ossos quebrados? Bem, se isso fosse mesmo necessário acredito que não seria tão difícil decidir, mas antes de sair por aí replicando as manchetes sobre o estudo, vamos ver o que os pesquisadores mostram no paper.

Riscos e benefícios de uma dieta vegana

O estudo Riscos e benefícios de uma dieta vegana foi publicado na revista Nutrients no último dia 21. O principal objetivo, foi investigar as diferenças na saúde óssea entre veganos e onívoros, medida por meio de ultrassom quantitativo. Contudo, o estudo ainda se aprofundou para detectar diferenças em biomarcadores nutricionais que estão relacionados à saúde óssea, como vitaminas, minerais, ácidos graxos e aminoácidos selecionados, juntamente com diferenças em biomarcadores de renovação óssea, homeostase de cálcio, inflamação e fator de crescimento de fibroblastos.

Indo além, Além disso, por meio da aplicação de regressão por redução de posto (RRR), uma técnica que é empregada na epidemiologia nutricional para encontrar padrões alimentares associados a algum desfecho. O uso dessa técnica objetivou detectar um padrão de biomarcador exploratório que pode revelar uma combinação de biomarcadores que contribuem para a saúde óssea e, portanto, pode explicar a saúde óssea reduzida sugerida em veganos.

O estudo foi realizado em Berlim, Alemanha e contou com uma amostra de 36 indivíduos vegano e 36 onívoros, com idade entre 30 e 60 anos. Foram excluídos aqueles com índice de massa corporal (IMC) ≥ 30, doença cardiovascular, diabetes tipo 2, câncer, gravidez, amamentação e/ou infecção atual. A participação no estudo foi voluntária e a dieta onívora foi definida como o consumo de pelo menos três porções de carne por semana ou duas porções de carne e duas porções de carne processada por semana. Enquanto uma dieta vegana foi definida como nenhum consumo de qualquer produto de origem animal

Curiosidades sobre a amostra

As características dos participantes da amostra são interessantes. Embora não haja diferença estatisticamente significativa entre os grupos para a maioria das características, ao ler a tabela apresentada no estudo chama atenção:

  • Percentual de massa gorda e circunferência abdominal maior em onívoros;
  • Maior nível educacional entre veganos;
  • Mais horas de exercícios/atividade física entre veganos;
  • Maior nível de tabagismo e consumo de álcool entre onívoros;
  • Maior consumo de suplementos entre veganos.

Resultados e discussão

Como era esperado pelos autores, os resultados do estudo demonstraram diferenças na saúde óssea entre veganos e onívoros, mostrando valores médios mais baixos de todos os parâmetros pesquisados por ultrassom no grupo de veganos, em comparação com o grupo de onívoros.

As discussões se aprofundam nos biomarcadores nutricionais, comparando os achados com outros estudos. Neste ponto, é importante destacar que os biomarcadores lisina, iodo, TSH (Hormônio Estimulador da Tireoide), selênio, vitamina A, leucina, ácidos graxos, cálcio, magnésio e vitamina B6, são componentes benéficos para a saúde óssea.

Limitações do estudo

Este estudo fornece informações sobre as associações entre a dieta vegana e onívora praticada por seus participantes em Berlim, em pessoas de diferentes idades e sexos. No entanto, as limitações incluem a natureza transversal do estudo, que não permite afirmar que a dieta vegana afeta a saúde óssea, bem como, a falta de detalhamento sobre a qualidade da dieta dos participantes e o tamanho da amostra. Além disso, os próprios autores afirmam em sua conclusão, que os resultados podem não ser generalizáveis para outras populações.

Importância deste estudo

Em primeiro lugar, é importante enfatizar que segundo resultados deste estudo, a saúde óssea pode estar em risco para quem segue uma dieta vegana. Isso quer dizer que há uma possibilidade, portanto, não há evidência suficiente para afirmar.

Embora saibamos que uma dieta isenta de produtos derivados de animais é reconhecidamente cheia de benefícios para a saúde e para o planeta, precisamos ressaltar aqui o caráter nutricional, que não pode ser negligenciado. O fato exclusivo de não ingerir nenhum produto de origem animal não torna uma dieta saudável e isso precisa ser considerado.

Assim como há onívoros que mantém uma alimentação desregrada e repleta de junk food, há também veganos que não se preocupam com a qualidade nutricional do que é colocado no prato. Ainda, mesmo considerando aqueles que se alimentam com qualidade, nem sempre o foco está na saúde geral. Tem muita gente obcecada com as fontes de proteínas e a suplementação de vitamina B12, enquanto pouco se fala sobre ômega-3 ou iodo, por exemplo.

Para finalizar, talvez seja importante destacar mais uma vez, a importância de uma dieta balanceada. Portanto, não se trata apenas de eliminar ou limitar o consumo de carne. Para obter os benefícios da dieta à base de vegetais é preciso ter certeza de que os alimentos que está consumindo são saudáveis. Isso significa que grãos integrais, legumes, frutas, vegetais e óleos saudáveis (como o azeite de oliva), devem ser priorizados na dieta.

Se numa dieta, seja ela onívora ou vegana, há privação de nutrientes importantes para a saúde óssea, a tendência é de que os ossos se tornem mais vulneráveis. Isso, indiscutivelmente é fato.

Enfim, muito antes de termos que escolher entre ter uma doença cardiometabólica e um osso quebrado, é imprescindível escolhermos os alimentos que nutrem o nosso corpo e contribuam positivamente para a nossa saúde em geral.

Leia também: Estudo caracteriza a qualidade da dieta vegetariana dos brasileiros e Alimentação vegana para crianças



por Nadia Ferreira Gonçalves em 12 de abril