Um recente estudo publicado na JAMA Network Open sugere que a intervenção alimentar baseada uma dieta vegana com baixo teor de gordura é eficiente na redução do peso corporal, diminuindo a ingestão calórica e aumentando o metabolismo após a refeição.

O estudo partiu do pressuposto de que pessoas que seguem uma dieta vegana têm concentrações mais baixas de gordura em tecido muscular e hepático, em comparação com aquelas que seguem dietas onívoras. Isso sugere que, ao reduzir os níveis de gordura nas células musculares e hepáticas, a dieta vegana pode levar ao aumento da atividade mitocondrial e do metabolismo pós-prandial.

Isso é particularmente importante porque o acúmulo de gordura nas células musculares e hepáticas também pode estar associado à resistência à insulina e ao diabetes tipo 2.

Sobre o método do estudo

Primeiramente, é importante ressaltar que se trata de um ensaio clínico randomizado. Isto é, um tipo de estudo científico experimental padrão ouro, onde os pesquisadores planejam e intervém ativamente nos fatores que influenciam os indivíduos. O objetivo é testar a abordagem da intervenção terapêutica, neste caso, a dieta.

A equipe de pesquisa de Washington DC conduziu o estudo no rigor científico para medir os efeitos de uma dieta vegana com baixo teor de gordura no peso corporal, resistência à insulina, metabolismo pós-prandial e níveis de gordura nas células musculares e hepáticas, em adultos com sobrepeso. O estudo aconteceu entre janeiro de 2017 e fevereiro de 2019.

Um total de 244 adultos (87% mulheres, 48% brancos) com idade média de 54 anos e com índice de massa corporal (IMC) de 28 a 40 foram incluídos no estudo e acompanhados por 16 semanas desde o início.

Aos participantes sorteados para o grupo de intervenção, que totalizavam 122 pessoas, foi solicitado seguir uma dieta vegana com baixo teor de gordura. Sem restrições quanto às quantidades e porções. Já para o grupo de controle, também no total de 122, foi solicitado permanecer sem mudanças na dieta, também sem limitações, por 16 semanas.

Os pesquisadores avaliaram o peso corporal nas semanas 0 e 16 usando uma escala calibrada. Eles também mediram a composição corporal e a gordura visceral usando métodos de imagem e avaliam a resistência à insulina e o índice de sensibilidade à insulina previsto. Os pesquisadores também mediram o efeito térmico dos alimentos e os níveis de gordura nas células musculares e hepáticas.

Principais benefícios da dieta vegana

  • Ao longo das 16 semanas, os pesquisadores observaram redução no peso corporal entre os participantes do grupo de intervenção, em média 5,9 kg;
  • Eles também observaram que o efeito térmico dos alimentos aumentou no grupo de intervenção em 14,1%;
  • Descobriram que o índice de resistência à insulina diminuiu em -1,3 e a sensibilidade aumentou em 0,9;
  • Eles também descobriram que os níveis de gordura nas células hepáticas diminuíram no grupo de intervenção em 34,4%, de uma média de 3,2% para 2,4%. Já os níveis de gordura musculares diminuíram em 10,4%, de uma média de 1,6 a 1,5;
  • Nenhuma dessas mudanças foi observada no grupo de controle por mais de 16 semanas.

Os pesquisadores concluíram que as alterações positivas estão associadas a reduções de gordura nas células musculares e hepáticas provocadas pela dieta vegana, bem como, ao aumento da sensibilidade à insulina.

Leia mais sobre veganismo e saúde:

Consumo de proteína vegetal aumenta a longevidade

9 benefícios da dieta baseada em plantas



por Nadia Ferreira Gonçalves em 3 de dezembro