O número de adeptos à alimentação à base de plantas é crescente no Brasil e no mundo. Pensando nisso, pesquisadores da Universidade de Brasília e da Universidade Estadual do Rio de Janeiro conduziram um estudo que caracteriza a qualidade da dieta vegetariana dos brasileiros. Os resultados foram publicados recentemente na Revista Plos One,

A dieta vegetariana

Nas últimas décadas, as dietas vegetarianas e veganas se tornaram mais populares em todo o mundo, com um aumento relatado na prevalência de 350%.

Em princípio, o vegetarianismo se configura por uma diversidade de práticas dietéticas, que excluem certos grupos de alimentos de origem animal, como carnes, aves e produtos derivados. O foco principal da alimentação fica por conta de frutas, vegetais, grãos, leguminosas, nozes e sementes.

Dentre a diversidade de categorias, há aqueles que permitem incluir frutos do mar (pescetarianismo) ou ovos (ovo-vegetarianismo), laticínios (lacto-vegetarianismo) ou ambos (ovo-lacto-vegetarianismo).

Em contraste, a forma estrita de vegetarianismo (popularmente denominada como veganismo) é caracterizada por uma completa abstinência de consumo de carne e todos os alimentos de origem animal. Exclui laticínios, ovos e mel, com uma dieta composta exclusivamente de alimentos vegetais como grãos, folhas, frutas, legumes, nozes, sementes, gorduras e óleos vegetais.

Qualidade da alimentação e saúde

Uma dieta vegetariana adequada está relacionada à prevenção de doenças cardiovasculares, devido ao efeito redutor de colesterol; de diabetes tipo 2, devido à melhor sensibilidade à insulina; e até mesmo de alguns tipos de câncer; além de contribuir para a saúde mental, com redução do stress e da ansiedade.

Quando se fala em qualidade da dieta, se refere a um conceito frequentemente adotado na literatura científica para avaliar hábitos alimentares de uma população. Em linhas gerais, o termo é utilizado para descrever a adesão dos indivíduos às recomendações alimentares, tanto em qualidade quanto em frequência.

Acontece que, apesar da literatura científica trazer evidências suficientes sobre a qualidade da dieta de vegetarianos de outros países, os dados da população brasileira ainda são escassos. Portanto, o estudo objetivou caracterizar a população brasileira vegetariana e avaliar a qualidade da dieta em comparação com a população brasileira em geral.

Para isso, foram avaliados 3.319 indivíduos vegetarianos e veganos de todas as categorias, das 27 unidades federativas brasileiras.

A ingestão regular de vegetais e frutas (crus, cozidos ou em sucos), cinco ou mais vezes por dia em pelo menos cinco dias da semana, foi considerado como marcador de dieta saudável. Já a ingestão de refrigerantes e sucos artificiais, bem como, de alimentos industrializados, marcador de dieta não saudável

Como está a qualidade da dieta vegetariana dos brasileiros?

Os resultados do estudo encontraram que, veganos possuem a maior frequência de consumo de vegetais e frutas; bem como, a menor frequência de ingestão de refrigerantes e sucos artificiais.

Relevante destacar que, dentre as categorias de alimentos naturais, as de maior consumo (consumido por mais de 75% dos indivíduos) foram: cereais, leguminosas, dois itens de hortaliças e um item de frutas.

Em relação aos alimentos processados, o item mais consumido foi o pão, seguido dos molhos e item de sobremesas. Os itens menos consumidos foram o suco artificial em pó e as refeições prontas (macarrão instantâneo / sopas, lasanha congelada e outras refeições prontas congeladas).

Os dados do estudo também foram comparados com dados da população geral brasileira, por meio do Vigitel. Este, compõe o sistema de Vigilância de Fatores de Risco para doenças crônicas não transmissíveis do Ministério da Saúde, que no período avaliado possuía amostra de 52.395 pessoas.

Como resultado da comparação, o estudo encontrou que somados, os vegetarianos de todas as categorias, apresentaram maior ingestão regular e ingestão diária adequada de frutas e vegetais; e menor ingestão regular de refrigerantes quando comparados ao resto da população brasileira. Esta última, também apresentou maior consumo de alimentos industrializados.

Simultaneamente, o grupo de vegetarianos apresentou menores taxas de sobrepeso e obesidade. A prevalência de sobrepeso na população vegetariana foi de 27,8%, enquanto na população geral 55,7%; e de obesidade, 7,1% da população vegetariana e 19,8 da população brasileira em geral.

O que isso quer dizer?

Se comparado à população geral, a qualidade da dieta vegetarianas dos brasileiros pode ser considerada nutricionalmente mais adequada. Assim, os resultados corroboram com as recomendações internacionais que enfatizam as dietas vegetarianas bem planejadas como saudáveis ​​e nutricionalmente adequadas para todas as fases da vida.

Em um momento em que as discussões sobre veganismo e saúde se aquecem, resultados de estudos como este são extremamente importantes. Mitos sobre a dieta vegetariana são comuns e carecem ser tratados com a devida seriedade, e definitivamente, fatos e ciência podem ser considerados os meios mais adequados para tal.

Este foi o primeiro estudo brasileiro a caracterizar a qualidade da dieta da população vegetariana e a própria população. Assim, os autores acreditam que possa abrir portas para que mais pesquisas sejam realizadas.

Quer saber mais sobre dieta vegetariana e saúde? Veja estes outros artigos que você pode gostar: Nutrição vegana, Tudo sobre veganismo e Ômega 3 vegano.



por Nadia Ferreira Gonçalves em 22 de setembro