Você sabe qual é a importância do colágeno na alimentação? Essa proteína é encontrada de forma natural no nosso corpo, sendo produzida principalmente pelos aminoácidos ingeridos na alimentação. Com o colágeno, as unhas ficam mais saudáveis, o cabelo mais bonito e a pele fica elástica e resistente. Além disso, constitui as fibras dos nossos ossos, músculos e tendões. Os benefícios dessa proteína são inúmeros: melhora o aspecto da pele e previne seu envelhecimento precoce, contribui no tratamento contra a flacidez e, até mesmo, ajuda no tratamento contra a osteoporose, doença em que os ossos ficam fracos e quebram facilmente. 

Muitos profissionais indicam a suplementação dessa proteína, que pode ser encontrada nas farmácias principalmente na forma hidrolisada, porém, esses produtos são derivados dos animais. Conforme a Minha Vida, veículo focado em tópicos de saúde, para realizar esse suplemento o colágeno é extraído da pele, tendões e cartilagens dos bovinos, suínos e aves. Após a extração, é acrescentado água ao colágeno, em um processo de hidrólise, e se obtém o colágeno hidrolisado. 

Agora, para quem é do time que aposta na suplementação de colágeno, existe uma novidade no mercado para os veganos. A startup Geltor lançou o primeiro suplemento de colágeno vegano, chamado PrimaColl, sendo o primeiro colágeno 100% plant-based, pois os que estão disponíveis no mercado atualmente, levando esse nome, são intensificadores. Seu processo de produção é feito com micróbios que produzem proteínas de forma natural, para isso é feito a fermentação microbiana, sendo adicionada uma sequência de DNA que programa esses micróbios para produzir essa proteína. 

Existem diversos tipos de colágeno e a empresa escolheu o 21, que aumenta a produção de colágeno nas células, conforme dito pelo founder Alexander Lorestani para a imprensa: “Dos 28 tipos diferentes de colágeno, selecionamos o Tipo 21 por seu efeito multiplicador na sinalização das células para a produção de colágeno adicional. O tipo 21 não é apenas excepcional dessa forma, mas extremamente raro na natureza, constituindo apenas uma pequena porcentagem – menos de 1% – do colágeno total encontrado no corpo”.

Mercado do colágeno 

Através de uma pesquisa da Nutrition Business Journal (NBJ), que a Natural Products insider cita, é possível verificar um paradoxo. Em 2020, nos Estados Unidos, houve um aumento de seis vezes em seis anos nos gastos em suplementos de colágeno, ficando no valor de US$ 293 milhões. Para efeitos de comparação, em 2014 esse valor estava em US$ 50 milhões. 

Porém, também é dito que o mercado vegano deve aumentar, pois, em 2018 foi avaliado em US$ 14,2 bilhões, com a previsão de subir para US$ 31,4 bilhões em 2026, segundo relatório da Research and Markets. Outra informação, que já falamos aqui no Vegan Business, é que a indústria plant-based será 100 vezes maior em 2050, conforme o relatório da Credit Suisse. 

Uma das explicações para esse paradoxo é que, provavelmente, os consumidores veganos não estão cientes que o colágeno é produzido com produtos de origem animal, já que nem sempre essa informação está explicada claramente nos rótulos. Mas, com essa novidade da Geltor, é possível que haja mais opções para os veganos no mercado. 

Outras formas de produzir colágeno na alimentação

Outra questão importante a ressaltar é que certos alimentos podem auxiliar seu organismo a absorver e aumentar sua produção de colágeno. De fato, alguns nutrientes que podem ajudar na produção e absorção de colágeno na alimentação, são a Vitamina C, selênio, zinco, e silício. Respectivamente, esses nutrientes podem ser encontrados em abundantemente nos vegetais consumidos diariamente numa alimentação vegetariana balanceada.

Aproveite e leia também: 

Inovação vegana em cuidados com a pele 

Pasta de amendoim é tudo igual?

*Imagem de capa: Unsplash



por Amanda Stucchi em 16 de junho