A ADM identificou quatro fatores que impulsionaram a expansão do mercado de proteínas alternativas. Esses fatores incluem: avanços na produção, adoção pelo consumidor, melhoria da nutrição e acessibilidade por meio de abordagens personalizadas.

De acordo com Letícia Gonçalves, presidente global de alimentos da ADM: “Identificamos esses quatro fatores através de uma convergência de três elementos. O primeiro elemento são as tendências globais e alimentares, onde consideramos a segurança alimentar, nutrição, bem-estar, saúde e sustentabilidade como partes importantes do mundo. Em segundo lugar, continuamos a compreender as necessidades dos consumidores atuais e futuros. E, por último, buscamos compreender o que é possível através da tecnologia e inovação.”

Mercado de proteínas alternativas

Diversas tecnologias de produção estão avançando em grande escala, como a carne cultivada, a fermentação de biomassa, a fermentação de precisão e os laticínios sem origem animal. De acordo com o estudo da ADM, os consumidores estão se mostrando cada vez mais curiosos e abertos a experimentar diferentes opções de proteína, sem atribuir tanta importância à fonte de proteína como fizeram no passado.

Quando questionados sobre o interesse em avanços científicos e tecnológicos mais recentes, os consumidores demonstram maior interesse em experimentar produtos à base de plantas com novos ingredientes ou fontes híbridas, seguidos por fontes derivadas da fermentação.

“Os consumidores estão dispostos a experimentar produtos que combinam fontes de proteína vegetal e animal. Eles estão adotando essas novas tecnologias que estão sendo direcionados em seus alimentos”, afirmou ela.

Desenvolvimento de proteínas

Faça parte da comunidade da Vegan Business no WhatsApp: Notícias | Investidores

Quando questionados sobre seu conhecimento em relação às novas fontes e tecnologias de desenvolvimento de proteínas, os consumidores informaram ter algum conhecimento sobre as fontes mencionadas ou ter ouvido falar delas, mas reconhecem que não possuem um conhecimento aprofundado. 57% dos consumidores conhecem a carne cultivada, 43% conheceram a fermentação de biomassa, 42% conheceram a fermentação de precisão e 40% conhecem laticínios sem origem animal.

Para garantir a adesão pelo consumidor, será necessário abordar questões relacionadas ao sabor, textura e nutrição. Dessa forma, combinando o que os consumidores desejam e comunicando-se de forma eficaz para incentivar a adoção de alternativas ou produtos híbridos de proteína.

De acordo com uma pesquisa da ADM, 73% dos consumidores que seguem uma alimentação à base de plantas, considera o sabor e nutrição igualmente importantes. Esse dado reflete um aumento na importância desses atributos nos últimos três anos.

Quando questionados sobre suas motivações em relação às futuras inovações de proteínas, 44% dos consumidores que seguem uma dieta baseada em plantas expressaram o desejo por produtos à base de plantas que apresentam um perfil nutricional aprimorado. Esse interesse por parte dos consumidores aumentou desde 2020.

Inovação e tecnologia

De acordo com o estudo, a diversidade alimentar também pode ser um indicador importante da qualidade da dieta. Quase 60% dos consumidores americanos concordam que a inovação pode tornar os alimentos mais saudáveis, representando um aumento de 8 pontos percentuais em relação a 2019.

“Os consumidores americanos estão se tornando mais conscientes das novas tecnologias alimentares que têm o potencial de transformar e atender às suas necessidades atuais, integrando alimentação, saúde e sustentabilidade”, afirmou a Sra. Gonçalves. “Há um apoio da indústria, de instituições governamentais e privadas, que trabalham para aumentar a conscientização sobre os alimentos e como a ciência pode trazer novas tecnologias para esse cenário.”

Fontes proteicas

43% dos consumidores reconhecem que é mais saudável obter proteína a partir de uma variedade de fontes proteicas, enquanto outros 43% acreditam que o aumento do consumo de opções à base de plantas pode contribuir para uma melhoria geral da saúde.

“Proteínas alternativas têm uma oportunidade madura de fornecer densidade nutricional e diversidade dietética”, afirmou a Sra. Gonçalves. “Observamos que os consumidores desejam obter proteína adicional, ao mesmo tempo em que buscam apoio para o metabolismo e controle de peso. A fonte de proteína pode desempenhar um papel importante nisso.”

Acesso

Resolver a questão da acessibilidade para os consumidores requer um foco maior nas nuances regionais e na busca por soluções sustentáveis para enfrentar os desafios do sistema alimentar.

De acordo com a ADM, 56% dos consumidores estão dispostos a fazer mudanças em seu estilo de vida para viver de forma mais ecologicamente correta. Além disso, 63% dos consumidores procuram por produtos de empresas que apoiam agricultores e comunidades locais. A nível global, 75% dos consumidores estão dispostos a pagar mais por alimentos e bebidas que possuíam uma cadeia de suprimentos reduzidos.

Aproveite e leia também:

Unilever utiliza inteligência artificial para transformar proteínas alternativas

Futuro Aveia: Fazenda Futuro entra no mercado de laticínios vegetais

A influência do mercado vegano na indústria de beleza e cuidados pessoais

Imagem ilustrativa de capa: Food Business News

Por Ana Cristina Gomes em 20 de julho