O mercado de sorvete vegano nunca esteve tão em alta.

Se tomar sorvete é bom, tomar sorvete vegano é melhor ainda. Com o crescimento da população vegana e vegetariana ao redor do mundo, a demanda de sorvetes de origem vegetal tem crescido junto. Desta forma, as empresas querem atender a todos os públicos e estão investindo em produtos que eliminem o ingrediente animal. NotCo, Ben & Jerry’s, Mondo e La Naturelle são algumas das poucas marcas com opções veganas que podemos encontrar no Brasil.

A tendência é que cada vez mais surjam diferentes marcas além dessas que já atuam no mercado, e que mais pessoas experimentem essas opções, deixando o estigma de que algo vegano não é “tão gostoso”.

Com tecnologia ultra avançada, startups como a NotCo nos provam que um alimento vegano – doce ou salgado – pode ter a mesma textura e sabor que algo de origem animal. Uma pesquisa recente divulgada pela Technavio prevê que daqui a três anos (2024) o mercado de sorvetes veganos ultrapassará o valor de R$ 3,41 bilhões.

A demanda por sorvete não é nada baixa. A Associação Brasileira das Indústrias e do Setor de Sorvetes (Abis) revela que o país está em 10º como o maior produtor mundial desta  sobremesa, e o Sudeste à frente no posto de maior consumidor, equivalente a 52%. Consequentemente, os 14% dos brasileiros que se dizem vegetarianos não reclamariam se houvesse mais opções a eles, e numa faixa de preço não muito diferente. Um pote de 473ml de um Mondo custa em média R$ 30, por exemplo, enquanto um pote de 1,5 litros de sorvete de chocolate da Kibon custa 25 reais.

Outro dado interessante na pesquisa da Technavio é que no contexto global são os sorvetes veganos artesanais que mais se destacam mundo afora.

A companhia de análise de mercado Fior Markets prevê que a demanda de sorvetes veganos cresça mais de 175% até 2027, podendo chegar a um valor de R$ 7,56 bilhões. Em 2019, a FM avaliou este mercado a R$ 2,74 bilhões.

“O mercado global de sorvete vegano tem passado por um crescimento significativo nos últimos anos. Esse mercado deve testemunhar um crescimento significativo devido ao aumento da população vegana e flexitariana em países em desenvolvimento e desenvolvidos”, diz a pesquisa.

Além da crescente diversidade em produtos, a produção de sorvetes veganos é mais sustentável, aponta a Fior Markets, gerando menos danos ambientais e podendo causar mais benefícios à saúde do que o tradicional.

Os ingredientes mais encontrados hoje nos sorvetes à base de frutos e  plantas são: soja, castanhas, amêndoas e coco. Entre os sabores mais amados pelo público, em cunho global, o chocolate continua tendo o maior destaque.

Como dito acima, temos marcas como Mondo, NotCo e La Naturelle disponíveis em supermercados. Sorveterias locais também podem produzir os próprios produtos, como: Stuzzi Veganeria e Alfreddo Veggani, em São Paulo, além de algumas maiores como Ofner e Bacio de Latte.

Leia também: NotCo expande linha de sorvetes veganos com novos sabores e Sorvetes veganos: como está esse mercado no Brasil



por Ana Reis em 31 de março