A indústria de couro está mudando rapidamente, alimentada pela crescente conscientização dos consumidores sobre a sustentabilidade, que inicia novas discussões e modifica comportamentos. Estudos recentes estimam que o mercado de couro vegano valerá US$ 89,6 bilhões até 2025.

Até grupos de luxo como Kering, dono de Balenciaga, Gucci e Saint Laurent, estão se posicionando no que diz respeito ao bem-estar dos animais. Essas gigantes da moda estão desenvolvendo uma nova política padrão para o uso de couro e lã.

Nesse contexto, a biotecnologia continua surpreendendo, com a criação de híbridos sustentáveis, como a seda sintética de aranha e outras opções de couro vegano. Além de mais benéficos ecologicamente, são itens de qualidade e aparência superiores.

Vegano e sustentável

À medida que mais pessoas se conscientizam dos efeitos da indústria do couro no meio ambiente, o mercado de alternativas livres de crueldade cresce. Não apenas isso, muitas marcas estão por aí tentando fazer o couro vegano o mais sustentável possível, usando plantas para criar o tecido perfeito.

Até pouco tempo atrás, praticamente todo o couro vegano era feito de materiais à base de plástico. Mas, nos últimos anos, pesquisas inovadoras descobriram muitas maneiras de fazer couro vegano a partir de abacaxi, folhas de cactos e até flores.

É incrível que o couro vegano seja feito de uma planta, e isso se dá, porque o material é fabricado com uma mistura de plantas e poliuretano, ou é baseado em plantas e revestido com uma resina. E não para por aí, essa indústria está trabalhando para aperfeiçoar seus respectivos couros veganos para tornar seus produtos 100% biodegradáveis.

Um mercado de US$ 89,6 bilhões

Um novo relatório divulgado pela Infinitum Global, empresa de soluções tecnológicas de Bangalore, na Índia, estima que o mercado de couro vegano valerá US$ 89,6 bilhões até 2025, tendo como principal incentivo o aumento da conscientização do mercado consumidor sobre o impacto ambiental e o reconhecimento dos direitos dos animais.

O estudo aponta ainda que à medida que os consumidores buscam cada vez mais escolhas éticas na hora de comprar produtos, empresas serão forçadas a buscar novas tecnologias e alternativas mais sustentáveis, o que impulsionará também o investimento em pesquisas de novos materiais e técnicas de produção.

De acordo com o relatório, a demanda mundial por couro vegano continuará a aumentar em uma taxa anual de 49,9%. Previsões de analistas mostram que os mercados de maior procura serão calçados, roupas e móveis. A procura crescente por produtos livres de crueldade animal já é uma realidade, mas a Infinitum prevê que algo ainda mais ousado ainda irá acontecer.

O que é o couro vegano

O couro vegano é uma alternativa ao couro animal, que pode ser fabricado com materiais inovadores e sustentáveis, como folhas de abacaxi, cortiça, cascas de maçã, outros resíduos de frutas e plástico reciclado.

Desde jaquetas e casacos em todos os cortes e cores,  calçados, bolsas e acessórios até  itens de revestimento de interiores de carros e casas. Atualmente, a lista de designers que apresentam apenas couro vegano em suas coleções não para de crescer. E não é de admirar, pois o couro vegano é versátil.

Existem várias alternativas de couro vegano no mercado. Empresas inovadoras agora estão criando couro a partir de frutas, cogumelos, milho e até café.

Por exemplo, a Ananas Anam, de Londres, usa folhas de abacaxi de origem sustentável para produzir um couro natural chamado Piñatex. O produto inovador é adequada para uso em moda, acessórios e estofados e já foi usado por mais de 1000 marcas em todo o mundo, incluindo Hugo Boss, H&M e Hilton Hotel Bankside.

Essas novas tendências já são uma realidade. Os mercados produtores terão que se adaptar a um novo grupo consumidor cada vez mais exigente e consciente sobre o impacto de suas escolhas. Resta as empresas escolherem se ficarão ao lado do futuro, ou desaparecerão com o passado.

O futuro do couro vegano

No mercado de couro vegano, as atividades de pesquisa e desenvolvimento desempenharam um papel crucial na diferenciação dos atributos gerais do couro vegano do couro tradicional. Certamente, os interessados neste mercado estão investindo em atividades de pesquisa e desenvolvimento para criar couro vegano com propriedades superiores.

A Infinium Global Research sugere que a crescente demanda será um fator-chave para impulsionar o crescimento da indústria de couro vegano no futuro. Agora, várias marcas estão se atentando para o uso de couro vegano e a tendência é de que o interesse aumente ainda mais nos próximos anos.

Recentemente, a marca de luxo Balenciaga lançou novos tênis de couro vegano. Apelidado de Zen Sneaker, os sapatos são feitos com 100% de poliuretano. Stella McCartney e Adidas também se uniram para lançar a versão mais recente de seus populares tênis Stan Smith, inicialmente lançado em 2018.

O interesse de grandes marcas pelo couro vegano atua como um fio condutor, que desperta o interesse geral pelo produto. Enfim, não dúvidas de que o mercado de couro vegano valerá US$ 89,6 bilhões até 2025, como informado no relatório da Infinitum.

Entenda mais sobre o crescimento do veganismo no mundo e sua relação com o mercado de couro vegano.



por Nadia Ferreira Gonçalves em 8 de maio