A chegada da Beyond Meat no Brasil foi anunciada recentemente. A introdução da marca de proteínas alternativas no mercado brasileiro é fruto de uma expansão comercial e promete movimentar o mercado vegano.

Os produtos Beyond Meat, inicialmente, serão disponibilizados em 19 unidades da rede St. Marche em São Paulo. O varejista, fundado em 2002, pertence parcialmente à maior empresa de compras do mundo, L Catterton.

Carne de plantas em expansão

A parceria entre a Beyond Meat e a St. Marche ocorre num momento crucial para o mercado de carne de plantas. Tudo isso porque, os grandes players desse mercado, incluindo a Impossible Foods, concorrente direta da Beyond Meat, partem rumo à exploração dos mercados internacionais potencialmente lucrativos. Em locais como o Brasil, onde a carne à base de plantas está se espalhando rapidamente.

Não há mais dúvidas de que o comércio de proteínas alternativas está crescendo. No início de junho, a Yum China Holdings Inc. introduziu hambúrgueres da Beyond Meat, por tempo limitado, no KFC, Pizza Hut e Taco Bell.

A Beyond Meat, com sede em El Segundo, na Califórnia, dobrou a expansão nos pontos de venda, simultaneamente ao fechamento de restaurantes em todo o mundo, devido aos bloqueios da COVID-19.

Nesse sentido, a receita do negócio de varejo da empresa nos EUA aumentou 157% no primeiro trimestre, em comparação com o ano anterior.  Consequentemente, a receita internacional de varejo aumentou quase 5.000%.

Beyond Meat e seu IPO histórico

Vale lembrar que a companhia realizou sua abertura de capital na Nasdaq em maio de 2019, em US$ 25 e suas ações (BYND) subiram para US$ 46, logo no início da tarde. Naquele dia, fecharam ao preço de US$ 65,75 com retorno de 163% em um único dia. A arrecadação inicial foi de US$ 240 milhões no IPO.

Desde então, as ações da Beyond Meat parecem viver numa emocionante montanha russa. Os papéis da empresa chegaram à máxima histórica de US$ 239,71 em apenas dois meses. Depois, após uma oferta secundária de US$ 160, as ações voltaram a cair, caindo para a faixa de US$ 70 até o final do ano passado.

Contudo, a Beyond Meat está em alta novamente, subiu 77,2% só nos primeiros seis meses de 2020, apesar das devastadoras consequências da pandemia do COVID-19 para o mercado de alimentação. Considerando que o preço atual, cerca de US$130 é mais que cinco vezes o seu preço de IPO, e quase o dobro em que as ações terminaram seu primeiro dia, as perspectivas são animadoras.

Navegando em mar azul

Ao que tudo indica, o hype da Beyond é um daqueles casos onde a oportunidade encontra o preparo. Embora exista forte concorrência de produtos, a Beyond Meat é a única empresa de carne à base de plantas de capital aberto. A Impossible Foods, única concorrente à altura, ainda é de capital fechado. Simultaneamente, a maioria dos produtores de proteínas alternativas são marcas desenvolvidas ou adquiridas por grandes produtores de carne tradicionais.

O cenário não poderia ser mais favorável. Navegar no mar azul das carnes de plantas no mercado de capital aberto traz vantagens, tanto pela reputação quanto pelo preço das ações. A onda de interessados nos investimentos verdes enfrenta escassez de opções, o que pode ser comparado com o caso da Tesla (TSLA ) com veículos elétricos e a Virgin Galactic (SPCE ) em viagens espaciais privadas.

O mercado de carnes e as alternativas vegetais

O Brasil figura entre os três maiores mercados consumidores de carne animal, atrás apenas dos EUA e China. A indústria tradicional de carne brasileira possui o segundo maior rebanho bovino do planeta, e obviamente, a carne à base de plantas representa apenas uma pequena fração disso, mas está crescendo rapidamente.

As melhorias de sabor e textura na carne à base de plantas, com uma maior conscientização sobre o produto substituto, estão levando a taxas de crescimento em grande escala. O crescimento das receitas de empresas produtoras de carnes de plantas reflete essa nova realidade, e a Beyond Meat pode ser considerada a vencedora na categoria.

Além de ter um sabor muito realista, a Beyond Meat diferencia sua comercialização de outras; mais notavelmente, colocou seus produtos na seção de carnes de supermercados, lado a lado com produtos de carne tradicionais, em vez da seção vegetariana/vegana. Isso, combinado com marketing e execução sólidos, vangloriou a marca “Beyond” na consciência dominante.

Chegada da Beyond Meat no Brasil e o mercado vegano

A chegada da Beyond Meat no Brasil deve mexer com os ânimos do mercado vegano. Inegavelmente, consumidores atentos já ficaram ansiosos desde o anúncio, e muitos, aguardam para experimentar a novidade.

No entanto, o direcionamento da marca no mercado brasileiro é que ditará seus rumos. Num cenário com alguns concorrentes, é provável que a Beyond divida a preferência dos flexitarianos, mas a esperança é de que o público vegano tenha mais uma opção à altura.

Enfim, as metas de vendas e os valores de negociação ainda não foram divulgados. Resta saber se os consumidores brasileiros irão surfar essa onda.

Gostou dessa novidade? Saiba mais sobre o bilionário mercado de proteínas veganas.



por Nadia Ferreira Gonçalves em 16 de julho