Isobelle McClements tinha 13 anos quando chegou da escola e anunciou aos pais que estava se tornando vegana. Ler um livro sobre o processamento de carne foi suficiente para convencê-la de que era hora de uma mudança radical no estilo de vida. A logística de alimentar uma família de forma consistente foi um dos principais motivos pelos quais seus pais também aderiram à mudança.

Isso foi há uma década. Hoje em dia, o congelador da família frequentemente estoca almôndegas, salsichas e nuggets plant-based. Quando saem para jantar, às vezes um hambúrguer vegano é a escolha. Seu pai, David Julian McClements, é cientista de alimentos na Universidade de Massachusetts Amherst e estuda como tornar esses produtos mais saudáveis e saborosos.

No entanto, todos na família preferem preparar refeições sem carne utilizando frutas e legumes frescos, grãos integrais e outros ingredientes. Eles podem pagar pelas opções mais sustentáveis agora comuns nos supermercados e têm tempo e recursos para prepará-las do zero. A maioria das pessoas, claro, não pode fazer nenhuma dessas coisas, o que impede uma adoção mais ampla de alternativas à carne bovina, suína e de frango, que poderiam ajudar o país a alcançar suas metas climáticas.

“Encontrar ingredientes de boa qualidade, reuni-los e combiná-los em algo que tenha um ótimo sabor, mas que também seja acessível, saudável e sustentável é muito, muito desafiador”, disse McClements.

Por peso, as carnes plant-based custam em média 77% mais do que suas contrapartes convencionais. Essas proteínas são tipicamente altamente processadas, sendo fabricadas a partir de ingredientes como proteína de soja e ervilha. “Isso é em parte o motivo de serem tão caras.”

Quem compra carne plant-based?

Quando se pensa em quem está comprando essas proteínas caras, uma mulher branca, urbana, de alta renda, dirigindo um Tesla e que renunciou a todos os produtos de origem animal pode vir à mente. A faixa de renda alta geralmente é verdadeira, mas o restante dessa imagem mental é um equívoco. Mesmo a ideia de que apenas veganos ou vegetarianos compram esses produtos não é totalmente correta.

Consumidores jovens e não-brancos são os mais propensos a comer carnes plant-based, de acordo com uma pesquisa de maio de 2024 encomendada pelo instituto de defesa de alimentos alternativos Good Food Institute. Cerca de 38% da Geração Z e 35% dos Millennials relataram consumir essas alternativas pelo menos uma vez por mês, o que é aproximadamente o dobro do número de pessoas da Geração X e Baby Boomers que o fazem. Cerca de um terço dos consumidores negros e latinos consomem regularmente substitutos de carne, em comparação com um quarto dos consumidores brancos. E apenas 2,79% das famílias compram exclusivamente proteínas plant-based. Quase 95% delas compram também carne de origem animal.

A renda é onde as disparidades mais marcantes aparecem. Famílias americanas com renda próxima a US$ 100.000 são as mais propensas a comprar alternativas plant-based, mas a maioria das que ganham menos de US$ 45.000 raramente o faz. Um motivo é que a assistência federal, como o Programa de Assistência Nutricional Suplementar (SNAP), frequentemente fornece pouca ajuda financeira para tornar esses produtos acessíveis.

“É apenas uma questão de custo, e se isso vai ser viável para eles, para garantir que consigam sobreviver ao mês”, disse Parker Gilkesson Davis, analista sênior do Center for Law and Social Policy, que estuda nutrição e pobreza.

Cerca de 12,5% dos americanos estão inscritos no SNAP, que fornece um benefício mensal com base na renda, tamanho da família e certas despesas. Em abril de 2023, o benefício médio foi de US$ 181,72 para uma pessoa ou US$ 343 para uma família. Fazer isso durar é um desafio quando os preços dos alimentos subiram 25% em quatro anos. Aqueles que trabalham para reduzir a fome argumentam que redes de segurança como o SNAP não conseguiram acompanhar a inflação, mudanças na dieta e todos os impactos das mudanças climáticas na cadeia de abastecimento alimentar. Quando residentes de baixa renda lutam para comprar carne com cupons de alimentos, isso reforça o fato de que alternativas plant-based mais caras são apenas para os mais abastados.

“O SNAP já falhou em termos de apoiar dietas tradicionais, então adicionar outros itens não tradicionais pode ser ainda mais difícil”, disse ela. “Há muitas pessoas de baixa renda que querem considerar produtos proteicos não tradicionais ou carnes, mas esses produtos são mais caros, e precisamos levar isso em conta.”

Baixos volumes não ajudam no preço

Entre as carnes plant-based, os substitutos de carne bovina têm o menor diferencial de preço, custando 20% a mais por libra do que a carne real. Isso porque eles estão no mercado há mais tempo — análogos de hambúrgueres chegaram há cerca de 15 anos. A carne bovina também tende a custar mais do que outras carnes (e tem ficado mais cara à medida que as mudanças climáticas afetam o tamanho dos rebanhos), o que torna o salto financeiro para suas versões plant-based menor.

E mesmo aqueles que podem pagar pelas alternativas parecem estar desanimando com elas, devido a preocupações sobre sua sustentabilidade, valor nutricional e até mesmo seu sabor e textura. A indústria de carnes falsas, avaliada em US$ 8,1 bilhões, que experimentou vendas crescentes durante a pandemia, quando a cadeia de abastecimento de carnes convencionais colapsou, teve dificuldades no ano passado. Os volumes de vendas da indústria caíram 9% entre 2022 e 2023, com uma queda de 2% na receita.

Glynn Tonsor, economista agrícola da Kansas State University, gerencia o Meat Demand Monitor, um banco de dados que pesquisa mensalmente os hábitos de compra de carne dos consumidores. A tendência que ele está observando sugere que mudanças nos hábitos alimentares podem ter algo a ver com o declínio do mercado. Em maio, hambúrgueres plant-based detinham 2% do mercado de varejo e 4% do mercado de serviços de alimentação, que são, respectivamente, metade e um quarto da participação de mercado que controlavam em maio de 2021, disse Tonsor.

Volumes decrescentes não ajudam nos preços. Carnes convencionais são commodities que têm sido vendidas em grande escala por mais de um século, através de uma cadeia de abastecimento bem estabelecida e robusta, com o benefício de subsídios governamentais. Tudo isso mantém os custos baixos.

“Atualmente, os produtos de carne plant-based não são commodities, então isso significa que as marcas de carne plant-based tendem a vender volumes mais baixos”, disse Daniel Gertner, analista de negócios do Good Food Institute. “Eles podem, com esses volumes mais baixos, em certos casos, obter lucros líquidos mais altos, mas grande parte desse lucro é reinvestida em coisas como despesas gerais, pesquisa e desenvolvimento, e marketing. Com qualquer categoria nascente, há essa necessidade de construir a infraestrutura do zero.”

Encontrando maneiras de fazer análogos de carne mais baratos

O Fundo Bezos Earth quer dar um impulso à indústria, encontrando maneiras de reduzir o custo das alternativas plant-based para proteínas animais.

“A comida que estamos comendo é responsável por um terço das emissões globais. E se você olhar de onde isso vem, metade provém de alimentos de origem animal, do gado. Então é uma parte enorme do quebra-cabeça das emissões”, disse Andy Jarvis, diretor do fundo.

Em um esforço para resolver esse quebra-cabeça, o fundo destinou US$ 100 milhões para a criação de três centros de pesquisa — o primeiro dos quais foi inaugurado no mês passado na Universidade Estadual da Carolina do Norte — focados em alternativas de proteína sustentável, como produtos plant-based, fermentação de precisão e carne cultivada.

Mas o maior obstáculo para tornar as proteínas plant-based uma alternativa mais viável para todos é o profundo investimento do governo dos EUA no status quo. Washington gasta até US$ 38 bilhões subsidiando as indústrias de carne e laticínios a cada ano, uma medida que mantém os preços artificialmente baixos. Enquanto isso, nações ao redor do mundo investiram um total de pouco mais de US$ 1 bilhão na indústria de proteínas alternativas.

“Não é surpresa que não esteja em paridade de preços, quando certamente não temos um campo de jogo nivelado no apoio governamental”, disse Jarvis.

A menos que haja uma intervenção federal significativa, semelhante ao apoio financeiro que catalisou o crescimento explosivo da energia renovável, levará bastante tempo para que as carnes plant-based possam competir com suas contrapartes convencionais. Até que isso aconteça, não importa se o frango plant-based tem o mesmo sabor do real. Somente quando for mais acessível, mais pessoas poderão fazer uma grande mudança de estilo de vida, assim como a família McClements fez uma vez.

Confira a matéria publicada na Green Queen.

Leia também:

Sunrize lança nova proteína plant-based sabor baunilha

GreenPlate e BigZpoon se unem para melhorar a experiência gastronômica plant-based

Palsgaard busca parceiros para desenvolver substitutos de ovos plant-based

Por Vitor Di Renzo em 1 de julho
Faça parte da comunidade da Vegan Business no WhatsApp: Notícias | Investidores