Estudantes da Universidade de Stirling, na Escócia, Reino Unido, votaram a favor de tornar os menus do campus 100% veganos até 2025, em um esforço para apoiar um sistema alimentar mais sustentável.

Sobre a moção para menus 100% veganos

A moção foi apresentada à União de Estudantes da Universidade de Stirling pela campanha de Universidades Baseadas em Plantas. A campanha instou o sindicato a fazer a transição do campus escolar para um sistema alimentar baseado em plantas para ajudar a combater as mudanças climáticas.

Desta forma, a moção apontou que a maior parte das emissões de carbono vem da agricultura animal. Além disso, o documento apontou que a produção de um quilo (2,2 libras) de carne bovina resultou em 70 quilos (154 libras) de emissões.

A maioria dos participantes da reunião geral da União dos Estudantes votou a favor da mudança. “A votação mostra que os jovens estão dispostos a tomar medidas sobre as emergências climáticas e ecológicas”, disse Imogen Robertson, ativista das Universidades de Plant-Based da Stirling University. “Estaremos trabalhando com os restaurantes para garantir que esta votação seja implementada para menus 100% veganos, deliciosos e que salvam o planeta.”

A mudança afetará três lojas de alimentos que são de propriedade da União dos Estudantes. Os alunos pretendem fazer 50% da comida vegana até o ano letivo de 2023 – 24 e 100% até 2025.

A campanha Universidades Plant-Based é uma iniciativa nacional do Reino Unido de estudantes que estão pressionando para que suas universidades adotem menus 100% veganos. O grupo afirma que as universidades têm a obrigação de seguir as pesquisas científicas que produzem sobre os impactos ambientais da pecuária e da pesca. A campanha está ativa em mais de 40 instituições.

Efeitos ambientais da agricultura animal

De acordo com um relatório de 2020 do Energy Systems Catapult, o Reino Unido precisará reduzir sua produção de carne e laticínios em até 50% para atingir a meta de ser neutra em carbono até 2050.

O relatório apontou que o Reino Unido deve fazer mudanças substanciais em três áreas: tecnologia de baixo carbono, uso da terra e estilo de vida. Junto com a desaceleração da demanda por aviação, utilização da energia solar e o plantio de florestas, a ESC sugere que mudanças no estilo de vida, reduzindo a produção e o consumo de produtos de origem animal, são necessárias para atingir as metas climáticas do Reino Unido.

“É fantástico ver a próxima geração assumindo o controle de seu futuro e colocando os seres humanos, os animais e o planeta em primeiro lugar”, disse o ambientalista George Monbiot. “Os ativistas das Universidades de Plant-Based da Universidade de Stirling estão liderando o caminho no combate à crise climática e na criação de um sistema alimentar sustentável.”

Universidades adicionam refeições veganas

O voto da Stirling University representa o primeiro de seu tipo no Reino Unido, seguindo compromissos semelhantes de universidades de outros países. Em 2021, quatro universidades em Berlim se comprometeram a reduzir a carne em seus 34 campus, em um esforço conjunto para combater as mudanças climáticas. Dessa forma, os menus passaram a ter 68% de opções veganas, 28% de vegetarianas, 2% com peixe e um prato com carne quatro vezes por semana.

Anteriormente, em 2020, a Universidade de Coimbra em Lisboa decidiu remover a carne bovina de todas as 14 cafeterias. A universidade fez o movimento para se tornar neutra em carbono até 2030.

“Estamos passando por uma emergência climática e temos que frear essa catástrofe ambiental projetada”, disse o chanceler da Universidade de Coimbra, Amílcar Falcão.

De acordo com Falcão: “O maior impacto é conscientizar as pessoas sobre o problema. Os líderes mundiais não entendem que o futuro do planeta está em jogo e é muito preocupante não enfrentar o problema.”

Da mesma forma, várias universidades em Londres proibiram a carne bovina de seus campi por razões ambientais, incluindo Goldsmiths (parte da Universidade de Londres) e a London School of Economics and Political Science.

Gostou dessa notícia? Aproveite e leia também:

Faça parte da comunidade da Vegan Business no WhatsApp: Notícias | Investidores

Regulamentação e desafios para a categoria plant-based no Brasil

Verdali leva espaço vegano para açougues da Bahia

Dois terços dos americanos estão dispostos a comer carne cultivada

Imagem ilustrativa de capa: Divulgação Pexels

Por Ana Cristina Gomes em 22 de novembro