A Change Foods é uma empresa de laticínios veganos, localizada em São Francisco, nos Estados Unidos, que utiliza microorganismos em seu processo de produção. Em uma rodada de investimento recente a marca obteve US$ 2,1 milhões, tendo como investidores a Plug and Play Ventures, a Better Bite Ventures, o Canaccord Genuity, a Clear Current Capital, Jeff Dean (engenheiro do Google), e o fundo italiano GERBER-RAUTH. A empresa pretende lançar seus primeiros produtos no ano de 2023. 

Um dos produtos que a empresa pretende comercializar é o queijo vegano. A Diretora de Marketing,  Irina Gerry, ex-executiva da Danone que entrou na Change Foods no ano passado, fala ao Food Navigator USA: “O valor nutricional é muito importante para nós, pois queremos criar um produto que não é só sustentável, mas também vai trazer benefícios adicionais, por isso estamos avaliando as vitaminas e minerais essenciais para integrar em nossos produtos”. 

Ela também acrescenta para o veículo: “Acreditamos que os consumidores estão ávidos por opções mais sustentáveis e sem animais, mas eles não estão dispostos a comprometer sua experiência alimentar, especialmente quando se trata do queijo, que fica atrás apenas da carne vermelha (bovina e de cordeiro) em sua pegada de carbono.”. Além disso, a empresa acredita que se houver um queijo plant-based com textura e gosto próximo ao tradicional, é possível que haja um crescimento significativo do mercado. 

Sobre a Change Food e o processo de produção de laticínios veganos 

A marca foi fundado por David Bucca (CEO), um ex-engenheiro aeroespacial, e Junior Te’o (CTO), PhD em Biologia Celular e Molecular pela Universidade de Auckland, na Nova Zelândia. 

A Change Foods tem por objetivo que seu queijo vegano pareça o mais próximo possível do queijo de origem animal. No seu site está sua audaciosa meta: “De todas as grandes alternativas à base de plantas disponíveis hoje, não há nada que realmente se compare a textura pegajosa, elástica e derretida do queijo de leite tradicional. Isso é, até agora…”

Mas, como funcionará o processo de produção do queijo? Esse é o passo a passo: 

  • Os micróbios são selecionados, como a levedura, e são codificados com sequências de DNA de proteínas lácteas; 
  • Após isso, são colocados em um tanque de fermentação (como aqueles para produzir cerveja), esses microorganismos se alimentam de nutrientes e açúcares para crescer; 
  • Nesse processo de fermentação, os micróbios produzem as proteínas encontradas no leite lácteo; 
  • Desse modo, é possível filtrar as proteínas e escolhê-las, fazendo um leite puro concentrado de proteínas. Com esse leite, a empresa consegue criar produtos lácteos sem origem animal, como queijos, sorvetes, e iogurtes; 
  • Assim, o público pode provar produtos lácteos veganos, com o mesmo sabor dos de origem animal. 

Algumas estatísticas relevantes sobre esse processo, em relação à criação de gado, são as seguintes: utiliza 100 vezes menos terra, 25 vezes menos matéria-prima, 10 vezes menos água e 5 vezes menos energia. 

Opções de queijo vegano no mercado brasileiro 

É muito interessante o processo de produção de laticínios veganos da Change Foods, não é? Apesar de a empresa ainda não ter lançado seus primeiros produtos, já falamos aqui no Vegan Business sobre os melhores queijos vegetais do Brasil para você se deliciar, sugerindo algumas marcas como a Basi.co, Superbom, VidaVeg, PuraVida, NoMoo, e Natural Science. 

Aproveite e leia também: 

Queijos vegetais por peso já são realidade em Nova York

Conheça a Violife: marca de queijos veganos premiada 

*Imagem de capa: Divulgação Change Foods



por Amanda Stucchi em 18 de junho