Trouxemos boas notícias: Adidas anuncia compromisso com um futuro sem pele de animais e adere ao programa global Fur Free Retailer.

Embora a Adidas atualmente não venda produtos feitos de pele de animal, sua promessa de renunciar permanentemente a pele faz com que a marca tenha uma posição clara em relação ao bem-estar animal. Fur Free Retailer conecta empresas sem pele a consumidores que buscam produtos éticos.

Como uma das maiores marcas de roupas, calçados e acessórios esportivos do mundo, a Adidas lidera o caminho para que mais marcas mudem para alternativas amigáveis ​​aos animais. A Adidas é a 1500ª empresa de vestuário a aderir ao programa Fur Free Retailer e abraçar o bem-estar animal.

Um marco para o veganismo

O compromisso da Adidas é um marco significativo do Fur Free Retailer, um programa executado em mais de 25 países ao redor do mundo e se baseia em uma avalanche de políticas sem pele adotadas por marcas de moda globais, incluindo Prada, Gucci, Zara, H&M e muitos outros, de acordo com Fur Free Retailer.

“A Adidas está direcionando o tema da sustentabilidade em todas as áreas de sua linha de produtos, bem como em todas as suas operações comerciais. Já fornecemos exclusivamente algodão mais sustentável desde 2018, só usaremos poliéster reciclado a partir de 2024 e este ano lançaremos o primeiro tênis de corrida que é feito para ser refeito. Da mesma forma, o número de produtos veganos com três listras está crescendo; desde o ano passado, por exemplo, os populares clássicos de tênis Stan Smith e Superstar estão disponíveis em versões veganas. A renúncia permanente de peles sublinha nosso compromisso em buscar e expandir inovações de materiais sustentáveis ​​”, disse Frank Henke, vice-presidente sênior de sustentabilidade da Adidas, em um comunicado à imprensa da Fur Free Retailer.

“Estamos entusiasmados em dar as boas-vindas à Adidas como a marca 1500 a se juntar ao nosso programa Fur Free Retailer. O compromisso com uma política sem peles não é apenas compassivo, mas também com visão de futuro. Os consumidores de hoje apóiam marcas de moda que se preocupam com os animais e o meio ambiente, e o movimento da Adidas em direção a materiais sustentáveis ​​a torna uma líder nesse aspecto ”, disse Brigit Oele, gerente de programa da Fur Free Alliance.

Adidas-Fur-Free-Retailer
Foto: Divulgação

Fur Free Retailer

Ativo em mais de 25 países, o programa Fur Free Retailer é uma iniciativa internacional da Fur Free Alliance, uma coalizão global de mais de 50 organizações de proteção animal que trabalham para acabar com a criação e morte de animais para a produção de casacos de pele.

Humane Society International, que incorpora e expande a experiência de mais de 60 anos adquirida pela Humane Society dos Estados Unidos, trabalha em todo o mundo para promover a relação homem-animal, salvar e proteger cães e gatos, melhorar o bem-estar dos animais de criação, proteção da vida selvagem, promoção da pesquisa sem animais, intervenção em caso de desastres naturais e combate à crueldade contra os animais em todas as suas formas.

Além da questão da ética e proteção aos animais, no site do programa também há menção à questão climática e ambiental que envolve a produção de peles.

A indústria de peles deseja promover as peles como “verdes”, mas, na realidade, a produção de peles é um processo altamente tóxico e que consome energia… Em fazendas industriais de peles, criar animais para suas peles é ineficiente, especialmente para um produto desnecessário e que só serve para alimentar a vaidade. Além disso, o escoamento de resíduos de milhares de animais concentrados em fazendas de peles polui o solo e os cursos d’água.

Depois que a pele é retirada do animal, a pele é tratada com produtos químicos cancerígenos durante o processo de curtimento e pode ser tingida ou branqueada com compostos tóxicos adicionais. Pesquisas internacionais mostraram que a maioria das peles contém toxinas que representam um sério risco à saúde do consumidor. E na natureza, matar e ferir espécies em perigo ou ameaçadas por armadilhas é um desastre ecológico.

Um futuro sem pele de animais

O novo compromisso da Adidas de não usar peles não é novidade, pois essa não é a primeira vez que a empresa se pronuncia contra os produtos de origem animal. A empresa trabalhou para desenvolver  uma linha vegana de tênis que está mudando a marca para um modelo baseado em plantas. A marca também anunciou no ano passado que está trabalhando no uso  de couro à base de cogumelo como alternativa ao couro de origem animal.

“A Adidas está desenvolvendo um novo material, uma alternativa de couro puramente biológico feito de micélio, e vai usá-lo pela primeira vez na criação de calçados”, disse a empresa.

Com o mais recente compromisso da Adidas, a empresa está estabelecendo o exemplo para seus concorrentes, trabalhando para se tornar mais sustentável. Com uma gama vegana em expansão e uma nova dedicação para encontrar alternativas aos produtos de origem animal, podemos esperar mais opções à base de plantas e sem crueldade da marca no futuro.

A maré contra a utilização de pele de animais está atingindo todo o mundo, à medida que as preocupações com o bem-estar dos animais continuam a crescer. Nos últimos anos, mais de uma dezena de países europeus introduziram proibições de produção de pele, incluindo Noruega, Bélgica e Países Baixos. Ressalta-se ainda que, o Estado Norte-Americano da Califórnia, já proibiu a venda de peles como produtos.

Leia também: Adidas lança versões veganas para tênis clássicos e O promissor futuro do mercado de couro vegano



por Nadia Ferreira Gonçalves em 23 de fevereiro