Atlast Food Co., uma startup de bacon vegano com sede nos Estados Unidos realizou algo incrível. Recentemente, ela anunciou que fez parceria com uma variedade de empresas não divulgadas que usarão os produtos da Atlast como ingrediente em seus próprios produtos. A Atlast é um spin-off da Ecovative e, por meio dessas parcerias, já vendeu toda sua capacidade planejada até 2023.

Startup de bacon vegano

O primeiro lançamento da Atlast foi o bacon vegano, lançado no varejo sob a marca MyEats e vendido pela primeira vez em uma cooperativa de alimentos em Albany, Nova York. Apesar do feedback positivo do lançamento no varejo, a Atlast diz que continuará sendo uma empresa B2B.

O produto é feito a partir do micélio, que é essencialmente o sistema radicular dos cogumelos. Pode ser cultivado muito rapidamente, possui um sabor neutro e textura fibrosa que permite absorver facilmente outros sabores e adquirir um toque quase carnudo. Atlast diz que pode crescer uma folha completa de micélio em 10 dias e o produto é um tipo de carne vegana em cortes inteiros.

Conforme informa no site da empresa, o micélio é produzido por meio de um processo de fermentação e não há insumos de origem animal. Fatores como a textura, resistência e porosidade do micélio podem ser ajustados por meio de um processo de biofabricação.

O bacon é produzido através do cultivo de grandes placas de micélio em camas de 30 metros de comprimento e 3 a 6 metros de largura. O micélio pode ser cultivado à temperatura ambiente em fazendas de cogumelos. Por ser cultivada em grande escala, a empresa espera que os preços logo sejam competitivos com os do produto convencional.

Vale ressaltar que a Atlast também fabrica outros produtos de carne alternativos à base de micélio.

Uso do micélio na indústria de alimentação

Outras empresas que usam o micélio como ingrediente principal para produtos proteicos alternativos incluem as startups Meati e Prime Roots.

Meati testou seu bife à base de micélio recentemente no SALT Bistrô em Boulder, Colorado, embora não esteja claro se a empresa terá como alvo os varejistas ou consumidores. Analogamente, a Prime Roots lançou uma linha de refeições à base de vegetais e bacon alternativo na Whole Foods no ano passado, e seus produtos também estão disponíveis para compra pelos consumidores no site da empresa.

De fato, até onde sabemos, a Atlast é a primeira empresa a usar micélio para carne alternativa para canais B2B.

Esta notícia recente da Atlast indica a crescente expansão do mercado de proteína vegetal por meio de varejistas, restaurantes e outras empresas. Bens de consumo embalados baseados em plantas são incrivelmente comuns, mas existem menos empresas que visam especificamente canais B2B. Atlast se junta a outras empresas de proteínas alternativas, como Zero Egg e Clara Foods, visando especificamente esses canais B2B.

A Atlast já abriu uma pequena unidade de produção, mas planeja abrir uma muito maior. Eles estão trabalhando com um produtor holandês de uma fazenda de cogumelos. Por fim, para aumentar a capacidade, a Atlast também pode começar a trabalhar com produtores americanos de cogumelos.

Leia mais sobre o uso de cogumelos no mercado vegano. Ingredientes à base de cogumelos: MycoTechnology levanta US$ 39 milhões para sua plataforma e 6 tendências de inovação e alimentação vegana para 2021



por Nadia Ferreira Gonçalves em 5 de fevereiro