Uma pesquisa realizada pelo projeto FixOurFood e pela Universidade de York, em nome da rede de supermercados Co-op, prevê uma mudança radical nas dietas do Reino Unido nos próximos 30 anos.

O estudo antecipa um aumento significativo no consumo de proteínas alternativas, à medida que os consumidores se tornam mais focados na saúde e o flexitarianismo ganha popularidade. A agricultura urbana deve se tornar mais comum, sendo utilizada para produzir carne e frutos do mar cultivados. Além disso, ingredientes pouco conhecidos, como a azolla (samambaias aquáticas), podem se tornar amplamente usados em produtos como hambúrgueres e massas. Para ilustrar essas possibilidades, a Co-op criou uma série de imagens geradas por IA de possíveis alimentos do futuro.

Nas próximas décadas, o aumento das temperaturas pode permitir que produtos como abacates e azeitonas sejam cultivados no sul da Inglaterra. Métodos tradicionais de preservação, como a conserva, podem ressurgir enquanto os britânicos tentam reduzir o desperdício de alimentos.

“Nos últimos 30 anos, vimos avanços científicos em produtos mais sustentáveis que eram inimagináveis para a maioria em 1994”, disse Bob Doherty, Diretor do FixOurFood e Reitor da Escola de Negócios e Sociedade da Universidade de York. “Da carne cultivada em laboratório à agricultura vertical, o futuro da alimentação está prestes a revolucionar nossa forma de comer.”

“Os consumidores estão nos pedindo para fazer mais”

A pesquisa surge no momento em que a Co-op publica a última edição de seu relatório de Varejo Responsável, que indica que 72% dos consumidores se tornaram mais preocupados com alimentos éticos e sustentáveis nos últimos anos. No entanto, a porcentagem de consumidores dispostos a pagar mais por produtos éticos e sustentáveis diminuiu de 62% em 1994 para 54% em 2024, possivelmente refletindo as condições econômicas desafiadoras atuais.

88% dos consumidores afirmam que agora comem mais frutas e vegetais, enquanto 87% optam por opções mais saudáveis do que antes. Embora muitos entrevistados em 1994 tivessem expressado preocupação com a clareza e a honestidade dos rótulos, 47% agora acreditam que é fácil fazer escolhas sustentáveis com base nas etiquetas dos produtos.

“Como indústria alimentícia, fizemos muitos progressos, mas os consumidores estão nos pedindo para fazer mais, com honestidade e integridade no centro de nossas decisões”, disse Cathryn Higgs, Chefe de Ética, Sustentabilidade e Política da Co-op. “Na Co-op, continuamos comprometidos em fornecer aos nossos membros e clientes opções alimentares responsáveis e inovadoras.”

Confira a matéria publicada na vegconomist.

Leia também:

Bunge fortalece seu portfólio de proteínas plant-based

Cientistas desenvolvem alternativa ao couro à base de abacaxi

Ever After Foods capta US$ 10 milhões

Por Vitor Di Renzo em 20 de junho
Faça parte da comunidade da Vegan Business no WhatsApp: Notícias | Investidores