Quer conhecer a cadeia produtiva responsável da marca A Tal da Castanha, que desenvolve alimentos à base de plantas? 

A marca é líder em produção e comercialização de bebidas vegetais, que conseguiu trazer ao mercado um produto simples, puro, com pegada saudável e inédito no país. Quem está por trás dela é o executivo Rodrigo Carvalho (sócio da Positive Brands)  com seu irmão Felipe Carvalho.

Na fala de Rodrigo: “A nossa marca nasceu da observação de mercado. Quando começamos, a maioria das bebidas desse nicho levavam mais de 15 ingredientes, contrariando a proposta de ser mais saudável”. 

Ele acrescentou: “No início, não tínhamos nenhuma indústria com conhecimento para fazer leite vegetal, mas a ideia estava muito clara. Pensamos em todo o processo de produção e fizemos parcerias importantes com nutricionistas para tornar a bebida possível”.

Com o lançamento da primeira bebida com apenas água e castanhas, o Original caiu no gosto de nutricionistas e do público que, conscientemente, desejava diminuir o impacto de suas ações no meio ambiente. Isso sem falar no público de veganos, vegetarianos, alérgicos e intolerantes ao leite de vaca. 

O sucesso não parou em A Tal da Castanha. O portfólio da Positive Brands já conta com 34 produtos de diferentes marcas, indo de achocolatados a isotônicos, a estratégia da empresa é lançar versões veganas para todos os produtos possíveis. 

O executivo ainda explicou: “Estamos de olho em todas as categorias que não possuem opções plant-based ainda. O isotônico Jungle também nasceu da observação de mercado. Nos nossos estudos, percebemos que atletas consumiam outras marcas com muito açúcar, corante e aroma artificial na sua composição. Vimos a oportunidade e lançamos uma versão feita com suco de frutas, tapioca e água de coco”. 

Cadeia produtiva responsável: incentivo ao pequeno e médio produtor 

Para que o mercado cresça de maneira apropriada, a produção e o consumo são estimulados de forma responsável. 

A empresa busca incentivar o pequeno e o médio produtor e expandir a potencialidade do consumo de oleaginosas em bebidas, snacks e pastas indulgentes, beneficiando a agricultura. 

Rodrigo relatou: “Apesar do pouco tempo no mercado, os snacks estão fazendo história ao fomentar a agricultura familiar, auxiliando no combate à pobreza, igualdade de gênero e a sustentabilidade. Acreditamos que alimentos genuinamente brasileiros como as castanhas, produzidas  prioritariamente em solo nacional por agricultores de pequeno e médio porte, sejam uma ferramenta de transformação social impactando positivamente a cadeia inteira”. 

Além disso, a marca compensa suas embalagens através da parceria com o selo Eu Reciclo.

Mercado de alimentos mais saudáveis

O consumo de alimentos mais saudáveis, que já vinha ganhando força entre os brasileiros, foi fortemente impactado pela pandemia. Em 2020, as vendas desses produtos — que incluem produtos sem glúten ou com menor teor de sódio a orgânicos certificados — atingiram R$ 100 bilhões no país, segundo uma pesquisa divulgada pelo Euromonitor Internacional.

A cifra foi a maior para a categoria de alimentos desde 2006, quando esse segmento começou a ser monitorado pela consultoria. Uma parte do sucesso pode estar relacionada a cadeia produtiva que integra os padrões de sustentabilidade em toda a linha de produção, até chegar ao consumidor final. 

Rodrigo Carvalho afirmou: “Quando pensamos em ações sustentáveis, normalmente o meio ambiente é o primeiro a ser lembrado. Mas ser sustentável é muito mais que isso. É pensar em um todo visando suprir as necessidades atuais, ao mesmo tempo que não comprometemos o futuro das próximas gerações”.

Gostou dessa notícia? Aproveite e leia também: 

Leite vegetal: 35 marcas para você escolher

Mercado de carne e leite plant-based atingirá US$ 68,7 bilhões

Marca de leite vegetal pretende faturar R$ 1 milhão em 2021

*Imagem de capa: Divulgação A Tal da Castanha

Por Amanda Stucchi em 18 de outubro