Pensou que o futuro do mercado de maquiagens seria desenvolver produtos veganos e com ingredientes cada vez mais naturais? A tendência do veganismo não poderia deixar de chegar até as maquiagens. Principalmente porque nem todos que que preferem maquiagens veganas se consideram veganos. A luta pelo fim dos testes em animais, principalmente, levou os consumidores a encontrarem produtos veganos. E a informação leva essas pessoas a estudarem e entenderem os cosméticos naturais.

Um relatório realizado pela Grand View Research mostrou que o mercado global orgânico de cuidados pessoais deverá atingir US$ 25,11 bilhões até 2025. A ideia é que o faturamento dobre em seis anos. Bem, já estamos em 2019, podemos esperar grandes conquistas chegando por aí.

Além de que, a pesquisa também mostrou que o Brasil é o país que mais se destaca na América Latina. Isso porque o mercado de cosméticos orgânicos movimenta no nosso país cerca de R$3 bilhões (fonte).

Um estudo divulgado pelo Kantar Worldpanel mostrou que 50% dos consumidores estão preferindo produtos naturais e orgânicos. Dentre os principais motivos podemos destacar três: os ingredientes utilizados, o meio ambiente e a qualidade.

Dentre os ingredientes não são encontrados sulfatos e parabenos. Além disso, a composição dos produtos não contribuem com a poluição. Sobre a qualidade, veja o segundo tópico do texto.

Empresas estão de olho no futuro do mercado de maquiagens

Uma empresa que ficou de olho nesse mercado é a FACE IT Natural Cosmetics. A marca surgiu em março de 2017 comercializando batons veganos. Só no seu primeiro ano, a FACE IT conseguiu faturar cerca de R$650 mil!

A aposta da Face it foi muito bem pensada. As pessoas são apaixonadas por batons. A prova disso é que o segmento de batons contribui com uma receita de cerca de 40% no mercado global de cosméticos coloridos.

A Face it não é a única marca que decidiu se especializar em maquiagens veganas. Você também pode comprar sem medo as marcas: Surya, Cativa Natureza, Bioart, entre outras.

Algumas outras marcas maiores também estão abrindo espaço para as maquiagens veganas. Um exemplo é a Kat Von D. A marca lançou junto com a tatuadora vegana uma linha de produtos veganos. São mais mais de 200 itens com mais de 30 variações de cores. E o principal é que nenhum deles é de origem animal.

Outras grandes marcas da indústria cosmética, como Procter & Gamble, Johnson & Johnson, Unilever e L’Oréal Paris adquiriram pequenas marcas que já estavam posicionadas como naturais. Ninguém quer deixar para trás o futuro do mercado de maquiagens.

Brasileiro busca qualidade antes de tudo

Para José Youssef, diretor comercial da Use Orgânico, os brasileiros se motivam principalmente pela qualidade, depois pelo ativismo. Com a qualidade dos produtos veganos e dos produtos orgânicos cada vez melhor, a consequência é que nós daremos mais e mais preferência por esses produtos.

“No nosso levantamento identificamos dois pontos importantes, primeiro: quando se trata de cosméticos, o consumidor brasileiro leva muito em consideração a opinião de conhecidos que já tenham utilizado determinado produto e, segundo: dentre os adeptos dos cosméticos orgânicos, a principal motivação para o uso não é, necessariamente, o ativismo, mas sim a qualidade dos produtos. Quem usa orgânico, sente a diferença e, espontaneamente, recomenda para amigos e parentes que, interessados num estilo de vida mais saudável, se sentem impactados”, explica José Youssef diretor comercial da Use Orgânico.

Com as marcas se preocupando com o futuro do mercado de maquiagens e investindo nos produtos naturais, orgânicos e veganos, podemos ver uma melhora na qualidade, e claro uma quebra no preconceito. Ainda é fácil encontrar pessoas que duvidam da qualidade de produtos mais naturais e dificuldade em encontrar. Porém marcas como Tracta, Natura, Boticário ou Vult já são contra os testes em animais e são bastante fáceis de encontrar em perfumarias e farmácias.

Além disso, uma pesquisa realizada pela  Use Orgânico, apontou que 64% dos participantes acreditam que cosméticos orgânicos são melhores que os convencionais.

Um desafio: regulamentação

Para que um produto seja considerado natural é necessário ter 95% dos seus ingredientes sendo naturais. Já para ser considerado orgânico, 20% dos seus componentes precisam ser certificados como orgânicos.

Uma dificuldade encontrada está na regulamentação e nas certificações. Hoje, elas são realizadas pelas  Ecocert ou pelo Instituto Biodinâmico, IBD. Atualmente o Brasil carece das regulamentações para alguns segmentos de maquiagem, pois não oferece regras claras de fabricação dos produtos. Felizmente, nos últimos sete anos, o número de empresas e marcas certificadas pela Ecocert cresceu.

Embora ainda tenhamos algumas dificuldades, os resultados são surpreendentes. O futuro do mercado de maquiagens é mesmo produtos veganos e produtos naturais. As pessoas estão investindo em maquiagens que possam cuidar melhor da pele, gerar menos efeitos para nosso corpo, e menores impactos no meio ambiente. Claro, sem perder a qualidade do produto.

Leia também Qual tipo de lixo você (mais) produz: reciclável, orgânico ou de rejeito e Empreendedorismo vegano: 6 motivos para você apostar



por Lari Chinaglia em 8 de fevereiro