A NextFerm Technologies de Israel, que produz  US$10 milhões em proteína fermentada, anuncia nova fábrica em Balcãs. 

O acordo feito pela empresa tem como objetivo desenvolver a sua proteína vegana fermentada, a ProteVin.

A proteína da NextFerm é a única que tem o sabor neutro hoje no mercado e a empresa ainda garante que o valor nutricional é semelhante à proteína animal.

Protevin e no mercado

Segundo a NextFerm, a capacidade anual de produção de ProteVin será de até US$ 10 milhões a partir do segundo trimestre de 2023.

Sobre a produção da proteína plant-based, Boaz Noy, CEO da  NextFerm Technologies declarou:

Faça parte da comunidade da Vegan Business no WhatsApp: Notícias | Investidores

“Este acordo de fabricação para a produção de nossa proteína vegana é um marco importante para nossa empresa e representa a transição para uma empresa industrial no campo de proteínas alternativas. A planta foi projetada de forma a permitir o investimento na capacidade de produção de acordo com o aumento da demanda”.

E acrescentou: “ProteVin é a única proteína alternativa no mercado hoje com sabor neutro e valor nutricional semelhante ao animal, e acreditamos que se tornará uma solução líder na indústria global de proteínas alternativas”. 

Hoje o mercado de proteínas veganas tem se expandido cada vez mais e nós aqui da Vegan Business já mostramos algumas marcas em expansão, um exemplo é a Dobro

Relembre as proteínas vegetais da Dobro 

Existem três tipos de sabores para o consumidor: baunilha, chocolate com avelã e cappuccino. Todos contém o leite de coco em pó na composição com o objetivo de dar saborosidade, textura cremosa e não deixar gosto residual. Para adocicar o produto, é utilizado o adoçante natural estévia. 

“[Os produtos] são destinados para todos que queiram adequar a ingestão de proteínas ao longo do dia através de uma forma prática, saudável e gostosa”, destacou a empresa sobre a linha. 

As proteínas

Pensando nas proteínas, os produtos possuem 20g de proteína por dose, fortificadas com a vitamina B12  e com um aminograma completo (presença de aminoácidos), cuja fórmula foi composta por um mix de proteínas isoladas do arroz, ervilha e lentilha para atingir o aminograma completo que não causa prejuízos na síntese proteica. 

Já a vitamina B12 foi escolhida pois sua suplementação é recomendada para os veganos, por isso, a linha de proteínas vegetais da Dobro são fortificadas  om 2,4mcg de metilcobalamina (forma natural da vitamina B12), o modo mais biodisponível da vitamina em comparação com a  cianocobalamina (forma sintética da vitamina B12), o que representa 100% da recomendação diária total.

Victor Comper, fundador da Dobro, apontou que a ideia da linha surgiu na pandemia, devido ao fato das pessoas acabarem cozinhando mais: “Nós mesmos sentimos a necessidade de fazer uma proteína mais completa (aminograma), mais cremosa (leite de coco) e mais barata (R$ 119,00 – 450g)”, completou, revelando que criaram a linha a partir de uma dor, somada a sinergia de seu portfólio (já que tinham as barras proteicas) e ao tamanho desse mercado. 

Outro destaque da linha de proteínas vegetais é ser mais sustentável, pois esse tipo de produto necessita de menos terra, água e energia em comparação com as proteínas de origem animal. Dessa forma, ao escolher um item vegetal você está auxiliando a reduzir as emissões de gases de efeito estufa, desmatamento e melhorando a biodiversidade. 

Gostou? Lei também:

Dobro: conheça a linha de proteínas vegetais da empresa!

Umami United desenvolve ovo vegano com raiz de konjac

Startup leva catchup de grão de bico para última edição feira agropecuária

*Imagem de capa: Divulgação: NextFerm Technologies

Por Gabriela Catan em 12 de setembro