O governo dinamarquês anunciou que investirá mais de 1,25 bilhão de coroas dinamarquesas (€ 168 milhões) para promover os alimentos plant-based, focando na pesquisa e desenvolvimento desses produtos. 

Segundo o Good Food Institute, essa ação faz parte de um acordo climático para reduzir as emissões de gases de efeito estufa, sendo que o investimento é o maior para essa finalidade na União Europeia, mostrando também a preocupação da Dinamarca com o meio ambiente. 

O acordo foi endossado por todos os principais partidos do parlamento, concordando que os alimentos vegetais são um elemento central na transição verde. Dessa forma, o governo deverá elaborar um plano de ação nacional para esses alimentos com metas de produção e vendas. 

O fundador do Vegan Business, Christian Wolthers, é vegano e dinamarquês. 

Ele comentou sobre essa ação: “Como dinamarquês e vegano estou muito feliz em ver essa iniciativa acontecendo e espero que outros governos do mundo todo se inspirem nessa iniciativa visando construir um futuro mais viável para as próximas gerações”. 

Dinamarca investirá em alimentos plant-based: qual será a distribuição do valor?

Quer saber como esses recursos serão distribuídos? Vamos dar os detalhes! 

A Dinamarca criará um Fundo para Produtos Alimentares de Base Vegetal que oferecerá 675 milhões de coroas dinamarquesas (€ 90 milhões) durante nove anos para auxiliar no desenvolvimento e promoção de produtos à base de plantas. 

Também existirá uma estratégia focada nas chamadas proteínas verdes, tanto para os humanos quanto para os animais, nessa haverá o investimento de 260 milhões de coroas dinamarquesas (€ 35 milhões) durante cinco anos. O Good Food Institute informa que provavelmente esse investimento apoiará as proteínas feitas por fermentação e a carne cultivada, bem como rações para animais. 

Também existirá uma ação voltada para agricultores. 

Nesse caso, esses profissionais poderão fazer parte de um “eco-esquema” baseado em plantas que irá pagar um bônus para os agricultores que cultivam proteínas vegetais para consumo humano, com o valor de 580 milhões de coroas dinamarquesas (€ 78 milhões). 

Christian Wolthers falou sobre isso: “É muito interessante ver esse apoio na agricultura, isso pode auxiliar os agricultores que vem da agricultura tradicional a fazerem uma transição para um cultivo à base de plantas”.

Ademais, um esquema existente de tecnologia ambiental, financiado pela União Europeia, será expandido pelo governo dinamarquês. O objetivo é incluir  equipamentos de processamento para alimentos plant-based. Legal, não é? 

A iniciativa auxiliará os empreendedores e funcionários

Além de ajudar o clima, essa ação do governo dinamarquês também ajuda na economia fornecendo mais empregos e apoiando os empreendedores. 

O fundador do Vegan Business destacou: “Esse tipo de iniciativa vinda do governo pode fazer com que empreendedores abram os olhos para iniciar negócios nessa área. A Dinamarca se torna um país muito interessante para empreendedores que desejam trabalhar nesse setor”. 

A maioria dos empreendedores precisa de funcionários, portanto, gera emprego para outras pessoas. 

Rune-Christoffer Dragsdahl, secretário-geral da Sociedade Vegetariana da Dinamarca, disse ao Good Food Institute: “Este acordo agrícola vai criar milhares de empregos no setor de base vegetal. Se mais fundos forem reservados posteriormente como parte das negociações em andamento sobre o investimento em pesquisa, poderemos ver dezenas de milhares de novos empregos”. 

Logo, esse novo investimento da Dinamarca trará diversos benefícios ao país e poderá inspirar outros locais a fazerem o mesmo. 

Gostou dessa notícia? Aproveite e leia também: 

Vegan Business é registrado como plataforma de Equity Crowdfunding 

Países mais indicados para veganos: Dinamarca está na lista 

Alimentos plant-based poderão ser criados de forma mais sustentável

*Imagem de capa: Unsplash



por Amanda Stucchi em 14 de outubro