Uma pesquisa conduzida pela One Poll em 2021, encomendada pela Sprouts Farmers Market, com 2 mil participantes, revelou que 54% dos jovens estadunidenses (com idades entre 24 e 39) se identificam como flexitarianos. 

Mais revelações sobre os estadunidenses flexitarianos 

Além disso, 63% das pessoas dessas idades consideraram que suas necessidades nutricionais poderiam ser preenchidas completamente com uma dieta à base de plantas. Ao fazer uma comparação com aqueles acima de 56 anos, somente 30% achou a mesma coisa. 

De forma geral, 47% dos estadunidenses se identificavam como flexitarianos, porém, 36% afirmaram na pesquisa que desconheciam o que significava ser um flexiatriano, mesmo que eles se classificassem dessa forma. 

Foi dito no comunicado: “Quando solicitados a explicar ou definir o que significa ser um flexitariano, vários entrevistados admitiram estar cientes do que está envolvido, mas chamando-o de algo diferente, ou não saber até responderem à pesquisa”. 

Também é informado que 43% das pessoas acreditam que ser um flexitariano é um estilo de vida permanente. 

Alimentos à base de plantas 

Foi descoberto que 63% das pessoas estariam dispostas a trocar a carne por uma alternativa vegetal, caso obedecessem os seguintes critérios: 

  • Ter o mesmo sabor (68%). 
  • Custar o mesmo (63%). 
  • Possuir a mesma textura (63%). 
  • Ser mais ético (63%). 
  • Ser igual em valor nutricional (60%). 

Outras notícias positivas foram que 63% dos estadunidenses se alimentam de refeições plant-based para se sentirem melhor, enquanto 59% afirmaram que experimentariam produtos à base de plantas caso fossem fáceis de encontrar na mercearia local. 

A pesquisa também investigou os motivos pelos quais as pessoas podem hesitar em experimentar alimentos à base de plantas, obtendo as seguintes respostas:

  • Acho que não tem o mesmo sabor (47%). 
  • Acho que não tem a mesma textura/sensação na boca (46%). 
  • Acho que tem um custo alto (42%). 
  • Acho que é exagerado (38%). 
  • Acho que é uma moda/tendência (37%). 
  • Acho muito difícil encontrar (35%). 
  • Acho que é superprocessado (26%). 
  • Acho que não é mais saudável do que os alimentos que eu como (18%). 

As respostas podem ser úteis, por exemplo, caso você seja um empreendedor do setor e quer criar comunicações e estratégias para combater as principais hesitações dos consumidores. 

Ademais, foi destacado que a preocupação com a saúde é um grande impulsionador para desistir de consumir certos produtos, já que 53% dos estadunidenses estavam dispostos a desistir de certos alimentos com o objetivo de fortalecer o sistema imunológico, bem como 44% para evitar doenças. 

Sobre a abertura para experimentar novos alimentos, 68% dos participantes gostam de modificar suas dietas de vez em quando, misturando elementos, sendo que 57% gostam de utilizar novos ingredientes e 51% de utilizar ingredientes alternativos. 

O CEO da Sprouts Farmers Market, Jack Sinclair, falou na época no comunicado: 

“O interesse em alimentos à base de plantas e uma dieta flexitariana é evidente. Os consumidores estão mais engajados com a comida do que nunca e buscam produtos inovadores e alternativos para misturar nas refeições que preparam para si e para suas famílias.”

Aqui no Brasil em uma pesquisa encomendada pelo programa EscolhaVeg, desenvolvida pela ONG Mercy for Animals (MFA) em setembro de 2021, foi descoberto que 8 em cada 10 brasileiros experimentaram produtos plant-based nos últimos seis meses. 

O estudo definiu os alimentos à base de plantas como: aqueles de origem 100% vegetal, in natura ou processados, como grãos, cereais, legumes, verduras, frutas e sementes. A pesquisa também considerou nesta categoria os produtos que recriam, a partir de ingredientes 100% vegetais, a textura, cor e sabor de alimentos de origem animal.

Gostou dessa notícia? Aproveite e leia também: 

Pesquisa indica que cresce a prática sustentável entre os jovens do Brasil

Pesquisa sobre moda vegana: conheça as opiniões de mil britânicos

Pesquisa: 46% dos europeus reduziram o consumo de carne

*Imagem de capa: Pexels



por Amanda Stucchi em 10 de março