Adotar uma dieta baseada principalmente em alimentos integrais e vegetais traz enormes benefícios para a saúde humana e para o meio ambiente, conforme revela um novo estudo liderado pela Escola de Saúde Pública de Harvard TH Chan.

Publicado no American Journal of Clinical Nutrition, o estudo foi inspirado na Dieta da Saúde Planetária da Comissão EAT-Lancet, projetada em 2019 para alimentar 10 bilhões de pessoas e manter o planeta saudável até 2050. A dieta recomenda o aumento do consumo de vegetais e alimentos integrais e a redução de carne e laticínios, com flexibilidade para diferentes preferências culturais e culinárias.

Idealmente, a dieta deve incluir metade do prato com frutas e vegetais, e a outra metade com grãos integrais e fontes de proteína vegetal, com pequenas quantidades opcionais de proteína animal.

Este estudo de Harvard é a primeira avaliação em grande escala dos impactos da Dieta da Saúde Planetária, utilizando dados de saúde de 206.604 americanos ao longo de 20 a 34 anos. Os participantes estavam livres de doenças crônicas graves no início do estudo e preencheram questionários a cada quatro anos.

Os pesquisadores descobriram que as 10% das pessoas que seguiam a dieta da forma mais rigorosa tinham um risco 30% menor de morte prematura em comparação com as 10% que menos aderiam à dieta. Além disso, aqueles com maior adesão apresentaram uma pegada climática significativamente menor, com uma redução de 29% nas emissões de gases de efeito estufa.

“Os resultados mostram o quão interligados estão a saúde humana e a saúde planetária. Comer de forma saudável promove a sustentabilidade ambiental – que, por sua vez, é essencial para a saúde e o bem-estar de todas as pessoas na Terra”, disse o autor principal Walter Willett.

Dietas vegetais reduzem o risco de morte por todas as causas

Os participantes estavam inscritos em estudos governamentais de longo prazo, como o Nurses’ Health Study I e II e o Health Professionals Follow-Up Study. Os pesquisadores avaliaram suas dietas com base na ingestão de 15 grupos alimentares. Alimentos amigáveis ao planeta incluíam grãos integrais, tubérculos, vegetais, frutas inteiras, leguminosas, produtos à base de soja e óleos vegetais insaturados (como azeite).

Enquanto isso, alimentos que requerem muito mais terra, como aqueles derivados de bovinos, ovinos, caprinos, suínos e aves, também foram avaliados, assim como a ingestão de açúcar adicionado.

Os pesquisadores sugeriram que, embora outros estudos também relatem os benefícios das dietas plant-based para humanos e para o planeta, a maioria utilizou avaliações dietéticas únicas, que produzem resultados mais fracos do que quando se observa a dieta ao longo de um período mais longo, como fez a equipe de Harvard.

Foi descoberto que pessoas que seguiam a Dieta da Saúde Planetária tinham menor risco de morte por todas as causas principais, incluindo câncer (10% menor), doenças cardiovasculares (14%), doenças pulmonares (47%) e Alzheimer e outras desordens neurodegenerativas (28%). Além disso, mulheres que aderiram de perto à dieta tiveram um risco 38% menor de morte por doenças infecciosas.

Essencialmente, participantes que seguiam a dieta consumiam maiores quantidades de frutas e vegetais, nozes, leguminosas, grãos integrais, gorduras insaturadas e aves, enquanto reduziam a ingestão de carnes vermelhas e processadas, ovos, refrigerantes e sucos de frutas, bem como alimentos processados açucarados como doces, bolos, cereais matinais e sobremesas.

Em termos de alimentos de origem animal, essa dieta recomenda até duas porções por dia. Isso pode significar uma porção diária de um produto lácteo, uma porção semanal de carne vermelha e ovos, além de duas porções semanais de aves e peixes. Isso é muito menor do que os níveis atuais de consumo nos EUA – de acordo com o USDA, os americanos consomem cerca de 102 kg de carne anualmente (excluindo frutos do mar), 6,5 vezes mais do que as recomendações da Comissão EAT-Lancet.

Recomendações dietéticas do USDA ignoram as mudanças climáticas

Em termos de ganhos ambientais, o estudo revelou que a Dieta da Saúde Planetária requer 21% menos fertilizantes, 51% menos terras agrícolas e 13% menos água e irrigação. A redução do uso da terra é particularmente vital para facilitar a reflorestação, que, segundo os autores, é “vista como uma forma eficaz” de reduzir os gases de efeito estufa – embora a eficácia dos programas de reflorestamento para compensar as emissões seja discutível.

Dito isso, os resultados estão em sintonia com a literatura existente sobre os impactos climáticos dos alimentos de origem animal e vegetal. A pecuária é responsável por até 20% de todas as emissões – e, dentro do sistema alimentar, a carne representa 60% das emissões. A carne e os laticínios, por sua vez, emitem o dobro de CO2e que os alimentos de origem vegetal.

Um estudo anterior mostrou que trocar metade do consumo de carne e laticínios por análogos vegetais pode reduzir as emissões agrícolas e de uso da terra em 31%, diminuir o uso de água em 10% e interromper efetivamente a degradação das florestas e das terras naturais.

“As mudanças climáticas colocaram nosso planeta no caminho do desastre ecológico, e nosso sistema alimentar desempenha um papel importante”, disse Willett. “Mudar a forma como comemos pode ajudar a desacelerar o processo das mudanças climáticas. E o que é mais saudável para o planeta também é mais saudável para os humanos.”

O estudo de Harvard foi observacional, o que significa que suas descobertas se basearam em correlações entre os hábitos de consumo das pessoas e o risco de doenças graves, em vez de uma relação de causa e efeito. Mas a pesquisa levou em conta o consumo de álcool, tabagismo, exercícios, bem como históricos familiares de condições médicas.

“O que este estudo mostra é que podemos tanto mudar nossas dietas para serem muito mais saudáveis do que a dieta americana média e, ao mesmo tempo, ter um impacto substancial em desacelerar as mudanças climáticas”, disse Willett ao Washington Post. “Não precisamos sacrificar a saúde planetária pela saúde humana. Podemos ter ambas – é uma vitória dupla.”

Willett também criticou o USDA por ignorar as mudanças climáticas em suas recomendações dietéticas, que devem ser atualizadas no próximo ano. “Nosso estudo é notável, dado que o Departamento de Agricultura dos EUA se recusou a considerar os impactos ambientais das escolhas alimentares, e qualquer referência aos efeitos ambientais da dieta não será permitida na próxima revisão das Diretrizes Dietéticas dos EUA”, disse Willett.

Deve-se notar que as diretrizes atuais incentivam os americanos a evitar gorduras saturadas, colesterol e carnes vermelhas e processadas, e a focar em alimentos à base de carboidratos de origem vegetal. O documento também menciona produtos fortificados à base de soja e carne. O Comitê de Médicos para Medicina Responsável, uma organização independente sem fins lucrativos, criticou a inclusão de laticínios de origem animal, recomendando água em vez disso.

Leia também:

EvodiaBio capta €7 milhões para revolucionar a cerveja sem álcool

Biscoito belga vegano: a nova sensação da Super Vegan

Euro 2024: passageiros da Deutsche Bahn ganham cookies de chocolate ChoViva

Por Vitor Di Renzo em 11 de junho
Faça parte da comunidade da Vegan Business no WhatsApp: Notícias | Investidores