Você sabia que a dieta à base de plantas tem um papel na prevenção da demência e do Alzheimer?

A demência é uma doença que afeta principalmente idosos, sua forma mais comum é o Alzheimer: com essa condição as pessoas começam a se esquecer, perdendo suas memórias e habilidades de linguagem, bem como sua capacidade cognitiva e aptidão para resolver problemas. 

Essa patologia está aumentando. Segundo um estudo publicado na Revista Brasileira de Epidemiologia, o Alzheimer poderá quadruplicar de tamanho na população brasileira até 2050. Também foi dito que a proporção de pessoas com a doença em território brasileiro aumentou 127% em três décadas. Para efetuar essa pesquisa foram analisados questionários respondidos por mais de 9 mil adultos com, no mínimo, 50 anos. Ou seja, se há 30 anos existiam 500 mil idosos com a doença, em 2051 serão 4 milhões. 

A Organização Mundial da Saúde também deu informações, noticiadas pela RFI em 2019, afirmando que mais de 50 milhões de pessoas no mundo convivem com a demência e todos os anos são registrados cerca de 10 milhões de casos novos. Conforme a Instituição, até 2050 existirão 152 milhões de pessoas com a doença, lembrando que essa condição é progressiva e não tem cura, apesar de existirem medicamentos e estratégias para aliviar os sintomas. 

A dieta à base de plantas ajuda a prevenir o Alzheimer? 

Como sabemos, a alimentação tem um grande papel no bem-estar físico e psicológico. 

Estudos já demonstraram que, fora os fatores genéticos que não são controlados, o risco da demência aumenta com o colesterol, gorduras no sangue, pressão arterial, diabetes e peso corporal. 

Por exemplo, uma pesquisa feita pela University College London com um grupo de participantes, de idade mínima de 50 anos, acompanhados por mais de uma década, descobriu que quem possuía um IMC relacionado à obesidade ou excesso de peso tinha mais propensão para desenvolver a doença. 

É dito na página: “O estudo descobriu que a associação entre obesidade e demência independia se uma pessoa era fumante, tinha hipertensão ou diabetes, ou carregava o gene APOE ε4, um fator de risco genético para a doença de Alzheimer e demências relacionadas”. Porém, é importante ressaltar que ainda é necessário compreender os mecanismos de aumento de risco devido à obesidade, se isso é por conta de inflamação ou dos fatores genéticos. 

Outra pesquisa é uma publicada na Alzheimer’s Society, que revela que pessoas que têm hipertensão arterial na meia-idade possuem um fator de risco para desenvolver demência vascular mais tarde, esse é um dano cerebral causado por diversos derrames, quanto ao Alzheimer essa associação ainda não está clara. 

Pensando nisso, as dietas à base de plantas são ricas em antioxidantes, pobres em gorduras e contém bastante fibras. Isso auxilia na proteção do Alzheimer e de outras doenças. 

A Vegan Food and Living informou que um estudo descobriu que quem segue uma dieta saudável na meia-idade (ou seja, rica em alimentos vegetais e sem muita gordura saturada) possui um risco menor de desenvolver essas doenças, em comparação com quem tem dietas cheias de carne de origem animal e de laticínios. Em questão de números, quem adota uma dieta saudável possui uma redução de 86 a 90% no risco de desenvolver demência e tem de 90 a 92% menos chances de ter Alzheimer. 

Outras atitudes que você pode tomar para se prevenir dessa doença é realizar atividade física de forma regular e dormir bem (cerca de 8 horas por dia), já que a insônia afeta sua capacidade cognitiva de forma negativa. 

Aproveite e leia também: 

Quem vive mais, veganos ou carnívoros? 

10 motivos para se tornar vegano hoje 

6 benefícios cientificamente comprovados de uma dieta vegana

*Imagem de capa: Pexels



por Amanda Stucchi em 12 de agosto