Você provavelmente já ouviu a expressão “Go Vegan” por aí. Eu sempre me lembro de um ex-chefe meu que adorava falar “Go Vegan, Lari” para mim. Segundo ele, durante uma viagem para a África, ele encontrou essa expressão em diversos lugares, inclusive em um banheiro, e nunca mais conseguiu esquecer a frase. E ao saber que eu era vegetariana na época, ele achava divertido falar isso para mim (e era, afinal quanto mais ele falava, mas a expressão poderia ser conhecida por outras pessoas).

Realmente é comum encontrar essa expressão, mas você conhece o significado? Por que ela é tão importante e tão usada por veganos?

O que é Go Vegan?

Seja vegano! Quando você começa a estudar e descobrir mais sobre o universo do veganismo, é inevitável que você queria que o mundo se transforme e escolha esse estilo de vida também.

O veganismo é um modo de vida que procura excluir, na medida do possível e praticável, todas as formas de exploração e crueldade dos animais para alimentação, vestuário ou qualquer outro propósito. Assim, quando você se depara com os hábitos da sociedade e a cultura estabelecida, você descobre que muita coisa gera crueldade animal.

Roupas, calçados e acessórios, passeios e atrações (andar a cavalo, por exemplo), a maior parte dos produtos de beleza, higiene e limpeza que você tem na sua casa, tudo isso maltrata muitos os animais. Eu já perdi as contas de quantas vezes eu comentei que uma marca x faz testes em animais, e a resposta foi “nossa, essa marca? Sério? Jamais imaginei. Mas e aquela? E a outra? Essa também?”. Até o que parecia inocente e cheio de amor aos animais, como venda de filhotes ou zoológicos, você descobre que é cheio de crueldade.

Por que ser vegano?

Quando escolhemos o veganismo, além de evitar parte do sofrimento animal, você descobre que são muitos os motivos para se tornar vegano. Desde saúde e meio ambiente até a evitar a mão de obra escrava. Por trás daquele prato que você considera saborosíssimo ou por trás daquela maquiagem maravilhosa, a verdade é muito mais pesada do que imaginamos.

Quando me perguntam por que eu virei vegana, eu respondo “pelos animais”, mas sempre gosto de reforçar que é muito além das vacas e das galinhas que são mortas diariamente. Eu tomei essa decisão porque sei que não precisamos de carne para sobreviver ou para sermos saudáveis, não precisamos de maquiagens e cremes que são testados em animais, não precisamos de roupas de couro legítimo.

Estamos tão habituados aos mesmos produtos e a mesma alimentação que, muitas vezes, deixamos de questionar o porquê de fazermos uso de tais coisas. E o veganismo está aí para nos fazer questionar e mudar hábitos que não são necessários. 

Nem peixes?

Se você é vegano e nunca ouviu a pergunta “mas nem peixe?”, sinceramente eu acho que você não existe. Infelizmente algumas pessoas esquecem que os peixes também são animais e, principalmente, também sofrem quando são mortos.

Como existem tipos diferentes de vegetarianismos, algumas pessoas se confundem e acreditam que exista um tipo que permite o consumo desses animais. Mas isso não é verdade. Os peixes são seres com sistema nervoso e, por isso, sentem dor assim como um gato, um cachorro ou uma vaca.

Quando falamos de tipos de vegetarianismo, temos:

Ovolactovegetariano: não consome nenhum tipo de carne, mas ainda consome leite, ovos e seus derivados.

Lactovegetariano: não consome nenhum tipo de carne ou ovos, mas ainda consome o leite e seus derivados.

Vegetarianos restritos: não consomem nenhum alimento de origem animal, ou seja, não consome carnes, ovos ou leites.

Uma coisa é comum em todos os tipos: nenhuma carne animal pode ser consumida. Ou seja, nem peixes!

Observação: como falamos no tópico acima, quem escolhe o veganismo, além da alimentação, são excluídas todos os produtos e ações que incluem crueldade animal!

Como divulgar esse movimento?

Algumas ONGs e instituições se comprometem com a causa animal. Uma das forma de você ajudar a divulgar esse movimento é conhecendo essas instituições e colaborando de alguma forma, por exemplo, com doações ou voluntariado.

Doações:

A Mercy for Animals se dedica a combater a crueldade contra animais “de fazenda” e promover a ética e a compaixão na adoção de políticas e escolhas alimentares. E você pode ajudar com doações únicas ou mensais, sendo membro do clube, compartilhando e divulgando esse movimento, e muito mais.

Cartazes:

Também temos o movimento Não Mate, que surgiu de forma independente, colaborativo e sem fins lucrativos em 2009. Esse projeto propõe o debate sobre os direitos dos animais e promove o veganismo por meio de intervenções urbanas, oficinas de arte e produção audiovisual. Para você ajudar, você pode entrar no site e baixar os cartazes do movimento, e depois é só distribuir para seus amigos e familiares, colar nas ruas ou em estabelecimentos que você conhece.

Compartilhando informação:

Outra ótima forma de ajudar a divulgar esse movimento compartilhando informação. Use suas redes sociais para compartilhar notícias, imagens, vídeos, receitas. E não pare por aí, até mesmo levar uma receita vegana que você aprendeu para os eventos de amigos e família já ajuda a mostrar que o veganismo é muito mais do que salada.

Eventos:

Já foi em um evento vegano esse mês? Além de serem ótimas formas de conhecermos as novidades no mercado vegano e novas pessoas engajadas na causa, você pode apresentar um universo novo para quem não está acostumado.

Feiras veganas costumam ter diferentes tipos de restaurantes veganos, produtos de higiene e limpeza, roupas e acessórios, livros, e muito mais. Para quem não conhece muito sobre o veganismo, ir a esses eventos pode ser uma ótima forma de aprender mais e descobrir que veganismo é muito acessível!

#Govegan: 

Não são só os blogs e documentários que nos ensinam muito sobre o veganismo. As redes sociais possuem um poder gigantesco em influenciar e até ensinar seus usuários, e não seria diferente com o veganismo. Diversas pessoas optam por esses sites para falar abertamente sobre o ativismo vegano.

A Hashtag #govegan já alcançou 7,7 milhões de publicações só no instagram. E não para por aí. Outras hashtags fazem bastante sucesso:

#vegan = 71,5 milhões;
#veganfood = 13,5 milhões;
#vegano = 3,2 milhões.
Obs: dados até o dia 27/12/2018

Além de vídeos fofinhos sobre animais, você pode encontrar receitas, infográficos explicativos, eventos, e muito mais! 

Quer saber mais sobre o movimento Go Vegan?

Antes de divulgar o veganismo é importante conhecê-lo bem. Você precisa estar bem informado sobre o veganismo, porque sempre vão surgir novas dúvidas. Aproveite para conhecer blogs e canais de notícias, estudar bastante sobre o assunto, e claro, go vegan caso você ainda não seja.


Leia também Como ser vegano sem dificuldade? e 4 perigos da carne para o meio ambiente



por Lari Chinaglia em 27 de dezembro