Pessoas que se alimentam a base de plantas, os famosos veganos ou vegetarianos, tendem a gastar 65% mais em refeições em restaurantes do que pessoas sem nenhuma restrição alimentar. Isso é uma grande oportunidade para crescer no mercado de alimentos ou até mesmo para inovar e qualificar melhor o seu negócio atual.

A Caterer.com junto com a Beyond Words Studios desenvolveu um estudo que mostra os benefícios financeiros de ter sempre opções veganas e vegetarianas no cardápio. A pesquisa mostrou os de jantar dos chamados “comedores seletivos” e quanto eles estão dispostos a gastar. Entre os entrevistados, a pesquisa relatou o comportamento de consumo de pessoas com restrições – de carne, ovos e leite, por cultura ou religião, por alguma dieta específica, entre outros requisitos – na hora de fazer suas refeições em restaurantes.

Segundo a pesquisa, 25% dos britânicos entrevistados são agora considerados “comedores seletivos”, ou seja, possuem algum tipo de restrição na hora de pedir sua comida no restaurantes. Desses, 9% dos britânicos dizem optar por refeições veganas, 22% por refeições vegetarianos e 30% dizem ter alguma alergia alimentar.

Dentre os “comedores seletivos”, temos:

  • veganos, pessoas que só se alimentam de alimentos a base de plantas,
  • vegetarianos, pessoas que ainda consomem ovos e leite,
  • pescetariano, pessoas que cortam quase todas as carnes – menos peixes e frutos do mar;
  • flexitariano ou semi vegetariano, pessoas que reduzem a quantidade de carne ao longo da semana;
  • pessoas com restrições a glúten, leite ou gordura – por escolha própria ou médica.

Refeições em restaurantes – resultados da pesquisa

A pesquisa foi realidade no Reino Unido, e mostrou que “uma em cada quatro pessoas que entram em um restaurante do Reino Unido terá algum tipo de exigência dietética. Cavando um pouco mais, descobrimos que comedores seletivos têm mais de 35 anos de idade, são identificados como femininos ou não-binários, moram em uma área urbana ou em uma renda de £ 50.000 ou mais, e também são mais propensos a morar no leste do Reino Unido. Perguntamos a mais de 2.000 pessoas com necessidades alimentares sobre os seus hábitos alimentares. E acontece que, longe de ser um fardo, são uma grande oportunidade para os restaurantes do Reino Unido.” – dados da pesquisa

Outro fator importantíssimo está na frequência que esses consumidores frequentam restaurantes.

80% dos consumidores comem pelo menos uma vez por mês em um restaurante. Além disso, 60% deles teriam uma frequência ainda maior se tivesse mais opções de refeições em restaurantes que estão perto de suas casas. Dessa forma, a pesquisa conclui que se os restaurantes que se preocuparem em atenderem às demandas das pessoas com necessidades nutricionais, vão ter benefícios enormes.

Junto com isso, a pesquisa também revelou que:

  • 33% decidiram não ir a um restaurante porque o menu não atendia às suas necessidades alimentares;
  • 24% saíram de um restaurante porque o cardápio não atendia às suas necessidades dietéticas;
  • 21% devolveram uma refeição porque ela não atendeu às suas necessidades alimentares

Além disso, pessoas sem nenhum tipo de restrição alimentar não deixam de convidar amigos e familiares com restrições para os jantares. “Apenas 8% das pessoas sem necessidade de dieta evitaram convidar um comedor seletivo para jantar.” Dessa forma, os restaurantes devem ter uma atenção ainda mais especial para não perder diversos clientes de uma vez.

Como preparar seu restaurante para os veganos – ou comedores seletivos

O primeiro passo para adaptar o seu restaurante – ou qualquer negócio – para o universo vegano é conhecer o conceito por trás do nome. É comum que a primeira vista você só relacione o veganismo com uma alimentação sem carne. Depois, pesquisando mais afundo, talvez você entenda que é uma alimentação à base de plantas, e que leites e ovos não podem estar presentes.

Porém isso não é tudo. O veganismo vai muito além, e diversos alimentos “inocentes” contém algum tipo de produto de origem animal na composição. Por isso, antes de começar a adaptar o seu negócio é preciso estar por dentro do que acontece no mundo e no mercado vegano. Até mesmo para não sair oferecendo “queijo com presunto” – que por algum motivo ainda acham que é um combo sem carne – ou uma porção de alface com tomates.

Além disso, a pesquisa da Carater.com apontou o top 5 coisas que os comedores seletivos querem que os restaurantes saibam:

  • 49% querem que o pessoal seja educado sobre alergias e intolerâncias;
  • 43% gostaria de flexibilidade quando se trata de substituição de refeição;
  • 43% acha que os alérgenos devem ser listados nos menus;
  • 40% gostaria de ver itens de menu para requisitos dietéticos atualizados com a frequência de itens de menu regulares;
  • 35% desejam poder ver uma lista de ingredientes para cada item de menu (no menu ou a pedido)

As refeições em restaurantes que se preocupam com os “consumidores seletivos” se tornam muito mais agradáveis e podem gerar uma ótima fidelização de público. O veganismo está com crescendo de 1000%, e não dá mais para deixar essa restrição – melhor dizendo, escolha – alimentar de lado.

Leia também O mercado vegano está só começando e Carne vegana: uma categoria com oportunidade de 3 trilhões



por Lari Chinaglia em 8 de abril