Como diz o samba, “Em festa de rato não sobra queijo…”

E se o queijo é um dos produtos lácteos mais consumidos no mundo, no Brasil, estima-se que cada pessoa consuma em média 5,5Kg de queijo por ano, esse mercado merece especial atenção.

Mas há uma peculiaridade que faz toda a diferença, seguindo a tendência mundial, é possível observar o crescimento do veganismo no Brasil, principalmente a ampliação da oferta de produtos que atendam a essa demanda.

O número de pessoas que se declaram vegetarianas no Brasil apresentou crescimento na ordem de 75% no decorrer dos seis últimos anos, e a tendência é de que essa quantidade não pare de crescer.

A demanda por produtos veganos é crescente, e com os queijos veganos não é diferente. As mudanças nos padrões de consumo já são uma realidade mundial, com tendências que favorecem ao mercado vegano.

Falta queijo para atender a esse mercado em ascensão.

Dados da Variant Market Research indicam que até 2024 o mercado de queijos veganos chegará a US $3,9 bilhões.

Esse crescimento de mercado favorece consumidores e produtores, uma vez que visa a atender a demanda de consumo e a aquecer o mercado.

Dentre as razões para esse crescimento acelerado, estão a procura por opções devido à intolerância à lactose, aumento do número de consumidores veganos, a conscientização sobre os impactos ambientais decorrentes da indústria de produtos lácteos e incremento da oferta de queijos isentos de produtos lácteos.

Opções de queijos veganos:

Mesmo que para os amantes de queijo pareça difícil substituir essa iguaria láctea, a indústria está se esforçando para produzir alimentos à altura das exigências, com custos reduzidos e sabor inigualável.

Já é possível encontrar queijos veganos nas prateleiras dos supermercados, bem como, em pratos variados nos restaurantes.

Os queijos veganos geralmente utilizam leites vegetais como base, sendo que as principais já disponíveis no mercado são:

  • leite de coco, 
  • leite de soja, 
  • leite de arroz, 
  • leite de amêndoa, 
  • leite de amendoim, 
  • avelãs, 
  • castanhas de caju, 
  • legumes, dentre outras bases. 

Atualmente, o leite de soja ainda domina mais da metade do mercado, e o leite de amêndoa já está em segundo lugar.

Vantagens para a expansão do mercado de queijos veganos:

Além de ser um alimento isento de produtos de origem animal o queijo vegano ainda atende àqueles que possuem intolerância à lactose ou que buscam opções mais leves e saudáveis.

O mercado de queijos veganos está em ascensão, e ainda precisa crescer muito para atender toda a demanda.

Só no Brasil, a receita gerada com produtos vegetais alternativas ao leite, que incluem os queijos, gira em torno de UU$56 milhões.

As opções já disponíveis, com cores, texturas e aromas que prometem sabores idênticos às versões lácteas e estão conquistando cada vez mais os consumidores.

Redes de fast food e pizzarias já lançam opções para o público vegano e a demanda por queijos vegetais, como alternativas no preparo de hamburgueres, sanduíches e pizzas, deverá alavancar o mercado de queijos vegetais de modo exponencial.

Para acompanhar a crescente demanda, a produção de queijos veganos precisa se expandir. 

Quais os desafios para a expansão do mercado de queijo vegano?

Com sabores e texturas característicos, o queijo é muito mais difícil de “imitar” do que a carne ou o leite.

É um produto cujos sabores diferem muito de uma forma para outra e são determinados por variáveis ​​que mudam constantemente, como fermentação, temperatura ambiente, uso de enzimas, atividade microbiana e o processo de envelhecimento. 

O modo de replicar todas essas nuances que caracterizam o queijo e todas as variedades é a questão que tem ocupado os produtores deste mercado. 

Quando o consumidor vai à loja à procura de tipos específicos de queijo – por exemplo, um queijo muçarela para o sanduíche, ou um queijo parmesão para incrementar uma massa, ele tem em mente características peculiares. E atender a esses desejos específicos é o desafio, que se superado, garantirá sucesso imediato.

Crescimento também implica em concorrência crescente

O benefício disso tudo? Mais competição gera mais variedade de produtos, o que consequentemente traz mais opções para os consumidores. 

Como exemplo, os hamburgueres vegetais. À medida que mais empresas começaram a desenvolver carnes à base de plantas, a concorrência e a demanda também aumentaram e vivenciamos um verdadeiro boom nesse mercado.

Felizmente o crescimento também traz a inovação e isso, por sua vez, poderá trazer os avanços para a produção de queijos veganos. 

O processo de fermentação é, sem dúvidas, um dos maiores gargalos dessa indústria. O controle de todas as variáveis envolvidas é essencial para garantir sabor e qualidade aos produtos. 

Apesar dos desafios, nada impede a ascensão desses produtores, que surgem em todo o mundo.  O foco está no futuro, e nas possibilidades decorrentes da expansão desse mercado. 

De olho na demanda, multinacionais estão chegando para conquistar parte dos consumidores. Mas no Brasil, o mercado ainda não oferece muitas opções, portanto, trata-se de uma oportunidade para os empreendedores que buscam uma excelente oportunidade de investimento

E por enquanto, a indústria de lácteos ainda é a maior concorrente dos produtores de queijos veganos.



por Nadia Ferreira Gonçalvez em 22 de junho