Você sabia que estudantes são seis vezes mais propensos de se tornarem vegetarianos ou veganos do que os seus pais? Segundo pesquisa, os alunos mostram ter seis vezes mais chances de experimentar e aderir estilos de vida como veganismo e o vegetarianismo.

Além disso, 69% desses jovens disseram que as tendências alimentares mudam a maneira como eles pensam sobre comida. Esses dados também nos mostraram que 31% dos alunos estão comprometidos em se esforçarem para consumir alimentos cada vez mais saudáveis.

O Veganuary foi criado com o objetivo de ajudar as pessoas a serem veganas por um mês, com dicas e receitas sobre o assunto. O site mostrou um crescimento enorme das pessoas em mudar o estilo de vida.

Quando foi lançado, em 2014, teve 3300 pessoas inscritas. Já em 2016, havia 23.000 participantes, em 2017, 59.500, e em 2018, pasmem, 168.000! Das pessoas que se cadastram no site, 84% são do sexo feminino, e 35% têm menos de 35 anos.

A empresa Baum + Whiteman apostou que 2018 seria o ano do jovem no veganismo:

“Os Millenials e a Geração X estão adotando os alimentos à base de plantas enquanto ainda são jovens (…) e provavelmente continuarão assim. Então estamos num cenário que divide gerações, com jovens protagonizando as dietas à base de plantas (…) e eles são o público-alvo principal da indústria alimentícia.”

Essa afirmação estava presente no relatório: 2018 Food and Beverage Forecast

Mas de onde vem essa vontade de mudar?

Uma das principais fonte de informação do hoje é a internet, e quando se trata de alimentação saudável não é diferente.

Enquanto 30% dos estudantes optam por influenciadores do Instagram para incentivar suas escolhas alimentares, seus pais buscam mais inspiração no Facebook. Conhecendo um pouco de cada rede social, fica claro que a disseminação desse movimento atingiu mais os jovens do que seus pais.

Com a tendência de compartilharmos tudo que comemos, hashtags como #foodporn ultrapassam 180 milhões de publicações no Instagram. Dessa forma, conseguimos ver o apoio da internet no crescimento do veganismo entre jovens.

Aqui no Brasil temos alguns influenciadores veganos, tais como: Crica Wolthers , Vegetarirango, Fábio Chaves, Luisa Moraleida e Marina Godward (e muito mais). Todos esses que eu citei têm canais no Youtube com ótimas dicas de alimentação e estilo de vida vegano.

Além disso, algumas celebridades como Moby, Ariana Grande, Miley Cyrus e Ellen DeGeneres são algumas das figuras bem conhecidas que não comem produtos de origem animal, e também contribuem para aumentar o alcance desse estilo de vida entre os jovens.

Os motivos

É claro que apenas observar os influenciados nas redes sociais não é motivo suficiente para mudar o estilo de vida. Quando começamos estudar sobre o veganismo, descobrimos que, na verdade, não faltam motivos para se tornar vegano. Entre os principais estão: crueldade animal, preocupações ambientais e saúde pessoal.

Startups veganas, livros de receitas, canais do Youtube, eventos e feiras, e documentários polêmicos são algumas fontes que contribuem para a prática do veganismo.

Ser vegano não é questão de ser “cool”

Para muito a escolha de ser vegano é apenas moda ou uma tentativa do jovem ser “cool” na sociedade. Mas assim como nossos tios transformam qualquer acontecimento em motivo para um churrasco em família, é comum que um universitário ou um estagiário também receba convites para esse tipo de evento.

Claro que é possível se adaptar e comer bem em um churrasco mesmo sem comer as carnes, porém e as piadinhas? Se você é vegetariano, ou conhece alguém, com certeza já presenciou algum comentário ou brincadeira que questiona (e muitas vezes desincentiva) esse estilo de vida.

Dessa forma é fácil perceber que consumir carne faz de você alguém mais engajado e enturmado com as pessoas do seu convívio do que não consumir carne. Além disso, alguns adolescentes podem sofrer desaprovação da família e dos amigos. Assim, podemos concluir que a maioria dos veganos não escolhe esse estilo de vida pensando em ser “cool”.

Deixa o jovem ser vegano, ele fará o futuro!

O jovem é o futuro, não é? Essa frase é bastante conhecida, afinal jovens entre 18 e 24 anos tem a capacidade de inovar a maneira de pensar e agir de toda uma sociedade. Eles (nós) são os principais responsáveis por mudar o estilo de vida e moldar as futuras gerações.

Já parou para pensar como alguns jovens pensam de modo tão diferente? São os jovens os primeiros a quebrarem tabus, exigirem mudanças, mudarem de pensamento e refletirem sobre a sociedade de atual.

Vamos conversar sobre a baby boom (explosão de crianças). Depois da segunda guerra mundial, a geração que nascia entre as décadas de 40 e 50 foi conhecida como os baby boomers. Eles foram os hippies, defensores da paz e do amor, criadores dos festivais de música. Isso só aconteceu porque jovens refletiram a realidade de pouco tempo antes (guerra), e buscaram mudanças na sociedade em relação a isso.

Essa geração também trouxe temas como ideais de liberdade, feminismo, e movimentos a favor dos negros e homossexuais.

Esse é só um exemplo que mostra o poder do jovem na sociedade, e com isso, podemos esperar que o veganismo entre jovens é o futuro do planeta e dos animais. Então, deixa o jovem ser vegano! Deixa o jovem militar a favor dessa causa e trazer consciência para toda a sociedade do perigo das carnes.

Dicas importante ao se tornar vegano na adolescência

Adolescência é aquela famosa fase de transição, e por isso é importante tomar alguns cuidados ao se tornar vegano:

Fazer substituições adequadas. Segundo o médico vegetariano e especialista em nutrologia Eric Slywitch, é fundamental investir em uma grande variedade de alimentos para consumo no dia a dia, sempre com orientação nutricional.

–  Cuidado não só com a proteína, mas também com o cálcio! Afinal ele é o responsável está na construção os ossos. Para um adolescente vegano, as fonte de cálcio vêm do tofu processado com sulfato de cálcio, folhas das plantas verdes como alface, espinafre, repolho, mostarda ou couve, e tahine (manteiga de gergelim), leite de soja fortificado ou suco de laranja fortificado.

O veganismo entre jovens é uma realidade, e com isso vemos mais e mais esperança em um mundo sem crueldade animal. Essa explosão de informações entre adolescentes e universitários junto o apoio e poder da internet serão responsáveis por disseminar esse estilo de vida que só tem benefícios.

Leia também Os restaurantes de fast-food estão perdendo uma oportunidade de R$ 50 bilhões e Você é a sua melhor versão?



por Lari Chinaglia em 11 de dezembro