Vamos conversar francamente, observe à sua volta. Os menus estão mudando em todo o mundo, à medida que o veganismo se espalha de modo espantosamente rápido, com o número de adeptos aumentando de modo exponencial segundo as estatísticas. Fabricantes, supermercados e restaurantes estão se esforçando para lucrar com o mercado em expansão, e as novidades sem carne prometem incentivar as pessoas a experimentarem alimentos à base de plantas.

Por certo, agrupar o veganismo sob a égide das dietas da moda se torna cada vez mais desatualizado, à medida que aprendemos progressivamente sobre os efeitos extremamente negativos que a indústria da carne e dos laticínios colocou em nossos corpos e em nosso meio ambiente. Seja por motivos éticos ou pelos reconhecidos benefícios à saúde, por uma escolha fundamentada ou simplesmente pela tendência, as vantagens advindas de toda essa mudança provocada pela expansão vegana, bem como o conhecimento adquirido, permanecerão mundo afora. Conhecimento é poder e, neste caso, conhecimento não tem preço.

Com esse conhecimento se espalhando amplamente, as empresas começaram a priorizar as fontes de proteína à base de plantas em seus planos de negócios. Para fins de dimensão da abrangência do negócio, a proteína da ervilha sozinha (comemorada por sua composição quase perfeita) é projetada para se tornar uma indústria de US $ 18,5 milhões em 2021.

Dessa forma, o veganismo está prestes a ser inteiramente popular. Não há mais zombaria, não há mais revirar de olhos. A indústria de alimentos já colocou os pés no futuro e as inovações não param de chegar!

E a novidade da vez fica por conta do frango vegano

O KFC, famoso pela receita original do coronel Sanders que lambendo os dedos oferece seus tradicionais pedaços de frango fritos, finalmente deverá se desviar das galinhas e aderir à tendência mundial de oferecer saborosas opções veganas e vegetarianas. 

Na última semana de agosto a cadeia de fast food testou o Beyond Fried Chicken nos EUA, que vem com o slogan: “um milagre frito do Kentucky”. Criado em parceria com a empresa Beyond Meat, em cerca de cinco horas, o restaurante vendeu tantas unidades da iguaria à base de plantas quanto venderia seu popular frango em pedaços em uma semana inteira, disse Peyton Klemm, representante da KFC nos EUA. 

De acordo com Klemm, a KFC avaliará os resultados e o feedback do cliente para determinar o melhor caminho a seguir após o teste de Atlanta, o que pode incluir um teste mais extenso ou a distribuição nacional.

Inegavelmente, todo esse sucesso explosivo pode significar que o KFC começa a se deliciar com o Kentucky Faux Chicken. Isso porque, considerável parte das pessoas que buscam pela redução ou eliminação da carne procuram por substitutos com sabores semelhantes

O KFC é o mais recente de uma extensa gama de empresas de alimentos que estão tentando atrair o crescente número de pessoas que seguem uma dieta flexitária, onde a carne é consumida apenas ocasionalmente, ou dieta totalmente baseada em vegetais. O principal concorrente da Beyond Meat, a Impossible Foods, lançou, por exemplo, um Whopper sem carne no Burger King .

Similarmente, no Brasil, a empresa Superbom lançou recentemente seu frango vegano. Trata-se de uma alimento inovador para o mercado vegetariano no país, à base de ervilha, e que promete aquecer o mercado nacional de frango vegano, além de poupar a vida de muitas galinhas.

O futuro do fast food começa a ficar mais saudável…

Enquanto isso, a força da demanda dos consumidores por alternativas à carne incentivou os investimentos em empresas que parecem prosperar ao apostarem em opções alternativas à carne. As ações da Beyond Meat dispararam, demonstrando o alto potencial desse mercado. Realmente, o veganismo e vegetarianismo estão mudando o fast food.

Ademais, os fabricantes de substitutos de carne vêm faturando alto com o aumento da demanda. A Impossible Foods iniciou uma rodada de financiamento da série de US $ 300 milhões, liderada por Temasek e Horizon Ventures, no primeiro semestre de 2019. Logo em seguida, houve a estreia pública explosiva da Beyond Meat no início de maio, quando as ações subiram 163% em seu primeiro dia de negociação, tendo estreado em US $ 25, agora estão trocando de mãos por mais de US $ 150, com a empresa avaliada em quase US $ 9 bilhões.

Todo esse cenário é um indicativo seguro de que o veganismo e o vegetarianismo estão revolucionando um dos mercados mais importantes da indústria de alimentos . Empresas céticas em relação ao estilo de vida vegano, onde produtos de origem animal são as estrelas principais dos cardápios, as redes de fast food começaram ceder à pressão da demanda e a repensar seu futuro.

Seja conduzida por convenientes substitutos de carne ou por alimentos integrais e puramente caseiros, a revolução vegana parece que chegou para ficar. E manter os animais longe do seu prato nunca foi tão fácil.



por Nadia Ferreira Gonçalvez em 8 de setembro