Se não pode vencê-los, junte-se a eles!

E assim algo incomum e improvável há até pouco tempo está acontecendo: as grandes empresas da indústria da carne estão investindo em alimentos veganos.

Nos Estados Unidos, a Tyson Foods, que é a segunda maior processadora e vendedora de carne bovina, frango e porco do mundo lançou este ano a sua própria linha de alimentos veganos.

Desde 2016, Tyson tem feito investimentos em pesquisa de carne à base de plantas e cultivada em laboratório, colocando dinheiro em startups como a Memphis, Future e Beyond Meat.

E não é a única. No ano passado, a Perdue Farms anunciou que estava analisando sua própria linha de alimentos veganos. A Cargill, outra grande produtora de carne, também estava entre os investidores da Memphis Meats, e a Brasileira JBS, por meio de sua marca Seara, não perdeu tempo e lançou seu hamburguer vegetal.

Esses investimentos recentes são encorajadores para o desenvolvimento da indústria de alimentos à base de plantas. Carne e produtos lácteos à base de plantas, como hambúrgueres vegetarianos, frango e leite de amêndoa estão crescendo em popularidade e em participação de mercado. 

Enquanto isso, a carne cultivada a partir de células em laboratório, provavelmente ainda a anos de disponibilidade nas lojas, também está crescendo, com pesquisas sugerindo que os consumidores nos maiores mercados querem experimentá-la.

Há muita coisa em jogo. Mais de 50 bilhões de animais são criados e mortos para a produção de carne em todo o mundo a cada ano, quase todos em fazendas industriais. A enorme indústria tem consequências ambientais e de saúde pública significativas: resistência a antibióticos, doenças, emissões de gases de efeito estufa , resíduos de animais perigosos e destruição do habitat da vida selvagem . 

A maioria das pessoas abomina a maneira como os animais são tratados nas fazendas industriais e se preocupa com as consequências ambientais da agricultura industrial, mas ao mesmo tempo elas querem carne. Então, abrem-se as portar para um novo cenário.

Um novo nível para a indústria

Hambúrgueres vegetarianos já existem há muito tempo. Mas as versões anteriores não tinham muito gosto de hambúrgueres e muito menos cozinhavam como eles. 

Mas as alternativas à carne à base de plantas continuam evoluindo e empresas como a Beyond Meat e a Impossible Foods entraram nesse mercado com o objetivo de fazer alimentos que todos achem deliciosos, e o melhor, que são livres de ingredientes de origem animal. Como resultado, sua participação no mercado cresceu muito além da participação dos veganos e vegetarianos e o desejo por esses alimentos chamou a atenção de gigantes da indústria da carne.

Prioridades diferentes motivam as empresas e organizações que trabalham com alimentos à base de plantas. Uma é substituir a agricultura industrial para evitar o sofrimento de animais nas fazendas industriais. Outra é proteger o meio ambiente, inventando maneiras melhores de cultivar carne sem os efeitos colaterais do uso da terra e da mudança climática. Também existem preocupações com a resistência a antibióticos e o interesse em melhorar a saúde pública.

Logo, o crescente interesse em investir nas alternativas à carne é um sinal de que uma interessante motivação está surgindo: o lucro. E isso não é ruim.

Para ter sucesso em seus altos objetivos, as empresas de alimentos veganos precisarão se tornar a principal fonte de proteína para um mundo cada vez mais rico, que deseja comer mais alimentos à base de plantas.

Isso significa que, se forem bem-sucedidos, haverá muito dinheiro nessa indústria. E como essas alternativas começaram a parecer promissoras, a indústria da carne deixou de considerá-las concorrentes e começou a considerá-las um possível mercado.

Então, o que tudo isso significa para a indústria da carne? É difícil de prever. Mas todas as preocupações com o nosso mundo carnívoro, tais como a mudança climática, o desprezo ambiental e os agravos à saúde humana, são suficientes para pelo menos ter as maiores empresas de carne protegendo suas apostas, fazendo investimentos substanciais em alimentos veganos.

Obviamente, o significado dessas apostas não deve ser exagerado. A Tyson teve uma receita de US $ 40 bilhões em 2018. O fundo de capital de risco para investir em futuras tecnologias de carne é de US $ 150 milhões, certamente não é uma pequena mudança, mas ainda é menor do que a receita de seu negócio principal. 

A Cargill, com US $ 114 bilhões em receita no ano passado participou da rodada de financiamento de US $ 17 milhões na Memphis). Embora sejam extremamente significativos para as empresas novatas, esses investimentos representam uma pequena parcela do que as empresas de carne fazem.

Recentemente, a Cargill anunciou investimento de mais de US$ 75 milhões na Puris, maior produtora dos EUA de proteína de ervilha, que atualmente é um dos principais ingredientes de hambúrgueres veganos e outros substitutos da carne. Com o investimento, a Puris estima dobrar a produção.

Tudo isso porque a demanda por alimentos veganos à base de ervilhas está em alta. Um relatório do Barclays prevê que as vendas globais do setor alcancem US$ 140 bilhões na próxima década.

Parcerias improváveis

Por sua parte, até mesmo alguns ativistas que normalmente lamentam essas empresas saudaram esses investimentos com entusiasmo. Para alguns, a situação é paralela aos sentimentos complicados do movimento ambiental quando as empresas de petróleo investem em energia limpa. 

Na maioria das vezes, porém, as startups de alternativas à carne receberam bem seus improváveis ​​novos aliados. 

Enfim, e mais um sinal de um movimento que está no processo de descobrir como avançar, construindo uma coalizão em torno de todos os problemas da agricultura industrial e assinando com flexibilidade qualquer parceria que faça sentido para um futuro sem carne.



por Nadia Ferreira Gonçalvez em 21 de setembro