Alguns dos principais motivos para não consumirmos carne são óbvios: saúde e violência animal. Mas nem todos sabem de todos os perigos da carne. Só para o meio ambiente podemos falar em quatro grandes perigos. Vem conhecer:

Perigo 1: Água

Evitar o desperdício de água é um assunto que está sempre em alta. Normalmente nós lembramos de fechar a torneira ao escovar os dentes, diminuir o tempo do banho e não lavar o quintal apenas com mangueira. Mas o que você talvez não saiba é que para a produção de 1kg de carne são gasto entre 10 e 20 mil litros de água, assim um consumidor de carne demanda indiretamente mais de 3.800 litros de água por dia (U.S. Department of State, 2011).

Essa quantidade é referente à água e alimentação utilizadas para o gado até que ele atinja a maturidade e também a tudo que é gasto no processo do frigorífico, como limpeza e resfriamento do ambiente.

Dessa forma, quando alguém decide se tornar vegano, indiretamente, essa pessoa poupa 2250 litros de água por dia. Para se ter uma base de comparação, um banho de 15 minutos, por exemplo, gasta 135 litros.

Esses números se tornam ainda mais chocantes quando lembramos que ⅔ da população do planeta enfrenta escassez severa de água durante ao menos um mês a cada ano. É um total de 4 bilhões de pessoas sem uma fonte confiável de água doce.

Perigo 2: Desmatamento

Para abrir pastagens para os rebanhos, as florestas são derrubadas e queimadas realizadas. Isso contribui com a emissão de gases-estufa, e representa, no final, o maior fator de emissão desses gases no Brasil. Esse desmatamento ocorre na Amazônia e no Cerrado. Na Amazônia a pecuária representa 75% do desmatamento, enquanto no Cerrado, 56%.

E os problemas não estão apenas nos gases. Os perigos da carne que envolvem o desmatamento estão contribuindo para a destruição de habitats naturais, extinção de espécies, degradação ou erosão dos solos, inundações, redução dos recursos hídricos (porque possuirá menos tamponamento florestal), diminuição a ocorrência de chuvas, entre outros problemas.

O Google Brasil lançou uma ferramenta interativa que explica a história da Floresta Amazônica, do seu povo e das ameaças que colocam a floresta em perigo. A plataforma chamada Eu Sou Amazônia traz dados sobre a devastação da floresta pela produção de carne, como 60% da gigantesca área que já foi devastada na Amazônia virou pasto para bois da pecuária extensiva. Somente a área desmatada corresponde ao tamanho da Espanha. Além disso, 38% de toda a carne produzida no Brasil, para consumo interno ou para exportação, vêm da Amazônia.

“Não seria exagero dizer que o desmatamento está no seu prato.” – diz um dos vídeos disponibilizados na plataforma. “A pecuária extensiva ainda é a maior responsável pela derrubada de floresta na Amazônia brasileira.” – completa o texto do vídeo.

Perigo 3: Mudanças climáticas

Se não bastante todos esses perigos da carne, estudos mostram que o consumo desse tipo de alimento contribui com as mudanças climáticas. A pecuária bovina é responsável pela emissão de pelo menos 50% dos gases-estufa, principalmente do gás carbônico (CO2) e do metano (CH4).

A produção de 1kg de carne bovina envolve a emissão de 335g de CO2, o equivalente a 1600 km dirigidos em um carro médio. (Schmidinger K, Stehfest E, 2012). Levando em conta todas as emissões da cadeia, desde os cultivos que viram ração animal até o transporte e varejo da carne processada, a Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO) estima que o setor pecuário é responsável por 14,5% das emissões de gases do efeito estufa globais oriundas de atividades humanas (FAO/ONU, 2013).

Perigo 4: Ineficiência na produção de alimentos

Se você pensa que a criação de animais para o consumo é a melhor forma de alimentar a população, você está bastante enganado. A produção de alimentos através da atividade pecuária resulta em um grande desperdício de alimentos. Ou seja, poderíamos estar alimentando muito mais gente, e reduzindo o número de 821 milhões de pessoas que passam fome no mundo.

Utilizando de maneira ineficiente grandes extensões de terra para produzir grãos que poderiam ser usados para alimentar pessoas, mas acabam indo para o animais que serão engordados e abatidos. A produção de 1kg de carne são precisos 5 a 10 kg de alimentos vegetais.

Os perigos da carne para o meio ambiente são reais. Por isso é tão importante a reduzir o seu consumo, seja na segunda sem carne ou aderindo definitivamente ao veganismo. O nosso planeta pede ajuda e nós precisamos estar atentos aos sinais.

Leia também O veganismo está explodindo entre os jovens



por Lari Chinaglia em 12 de dezembro